taxas de juro

Palavras de Draghi reforçam apostas na subida da Euribor

Juros da dívida desceram mais após as decisões do BCE, liderado por Mario Draghi. (EPA/RONALD WITTEK)
Juros da dívida desceram mais após as decisões do BCE, liderado por Mario Draghi. (EPA/RONALD WITTEK)

O Commerzbank avisa para subidas da Euribor. A taxa pode sair de valores negativos em 2020.

Bastou Mario Draghi classificar as expectativas para a evolução da inflação como “relativamente vigorosas” para o mercado assumir que as taxas Euribor vão subir mais depressa. As palavras do presidente do Banco Central Europeu (BCE) referiam-se à evolução da medida de inflação que exclui o efeito dos preços da energia e da alimentação. A estimativa de subida nos preços indicia que a autoridade monetária terá confiança para começar a subir juros, o que provocará uma recuperação das Euribor.

Após os comentários do presidente do BCE, os analistas do Commerzbank observaram que o mercado começou a dar sinais de que acredita que as Euribor, que estão atualmente em valores negativos, voltem a passar acima de 0% mais rapidamente do que o que era previsto. A taxa a três meses estava nesta sexta-feira em -0,318%. “Os últimos comentários do BCE aceleraram a reapreciação das taxas do euro, com os futuros da Euribor a atingir níveis positivos em 2020”, observam os analistas do banco alemão numa nota a que o Dinheiro Vivo teve acesso.

Atualmente, a autoridade monetária empresta aos bancos com um juro de 0% e cobra 0,40% para receber depósitos das instituições financeiras que precisam de guardar liquidez em excesso. São os valores mais baixos de sempre e levaram a que as taxas interbancárias Euribor fossem para terreno negativo, beneficiando quem tem empréstimos a taxa variável e penalizando quem procura rendimento para as poupanças.

Mas a partir do próximo ano, o BCE deverá começar a iniciar o ciclo de subida de juros, algo que já começou nos EUA no final de 2015. Na maior economia do mundo os juros também estiveram em 0%. E nesta semana a Reserva Federal fez novo aumento, para um mínimo de 2%. E promete mais subidas nos próximos tempos.

Uma questão de ritmo

O BCE deverá começar por subir a taxa de depósito para valores menos negativos antes de iniciar o aumento dos juros de referência. A reação das Euribor a essas decisões dependerá também do timing e do ritmo do ciclo de subidas. E há membros influentes do Conselho de Governadores do banco central, como o austríaco Ewald Nowotny, a defender que o ciclo de normalização dos juros seja feito a um ritmo mais rápido.

Portugal é um dos países europeus com maior proporção de taxa variável no crédito à habitação. E isso aumenta a vulnerabilidade às subidas dos juros. No último Relatório de Estabilidade Financeira, relativo a junho, o Banco de Portugal advertia que “num cenário de aumento das taxas de juro de mercado, a capacidade de serviço da dívida dos mutuários mais endividados e com taxas de esforço mais elevadas seria negativamente afetada”.

Mas a instituição liderada por Carlos Costa refere que “as expectativas quanto à evolução das taxas de juro do mercado monetário continuam a apontar para um aumento gradual e limitado no médio prazo, que deverá ocorrer num contexto de recuperação económica na área do euro e em Portugal”. Estes fatores poderão ajudar a compensar a subida dos juros, já que tornam “expectável o aumento do rendimento disponível dos particulares e dos lucros das empresas”.

No entanto, mesmo com o apoio da recuperação económica, o Banco de Portugal avisou que “existe um número significativo de agentes económicos vulneráveis a um aumento futuro das taxas de juro”. E considerou ser importante continuar a reduzir os níveis de endividamento, “em particular pelos agentes mais vulneráveis a choques no rendimento e a subidas dos encargos financeiros”. Motivo que levou o supervisor a recomendar aos bancos que avaliem, antes de conceder crédito, o impacto de uma subida dos juros no rendimento de quem pede o empréstimo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

REUTERS/Stephen Lam/File Photo

Moedas como Libra do Facebook podem diminuir poder dos bancos centrais

Outros conteúdos GMG
Palavras de Draghi reforçam apostas na subida da Euribor