dívida pública

Portugal emite 1750 milhões em dívida de curto prazo com juros negativos

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. (Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens)
Cristina Casalinho, presidente do IGCP. (Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens)

A taxa de juro na emissão a seis meses subiu ligeiramente face ao último leilão comparável

O Tesouro português concluiu esta quarta-feira mais uma emissão de dívida de curto prazo, com as taxas de juro a manterem-se em terreno negativo.

O IGCP realizou dois leilões de Bilhetes do Tesouro, a seis meses e um ano, angariando no total 1750 milhões de euros. O IGCP tinha estabelecido um montante indicativo que oscilava entre os 1500 e os 1750 milhões de euros.

Na emissão a seis meses, que vence a 18 de janeiro do próximo ano, o instituto liderado por Cristina Casalinho colocou 400 milhões de euros e garantiu um juro negativo de 0,339%. No último leilão comparável, realizado em maio, a taxa de juro tinha ficado ligeiramente acima, nos 0,351%. A procura superou 2,4 vezes a oferta.

Já no leilão a 12 meses, com maturidade a 19 de julho de 2019, o Tesouro colocou 1350 milhões de euros a uma taxa negativa de 0,28%. Aqui houve uma descida face ao leilão de maio, que tinha ficado nos 0,27%. A procura foi o dobro da oferta.

Para os analistas, o resultado do leilão foi positivo. “É uma boa notícia para o financiamento do país que recebe juros quando pede emprestado. A procura subiu ligeiramente face aos últimos leilões comparáveis, mas nada de muito relevante. É também natural ter havido mais procura na dívida com o prazo mais longo. O Estado faz bem em aproveitar este período de juros negativos para ir substituindo dívida antiga”, destaca Filipe Silva, Diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Portugal emite 1750 milhões em dívida de curto prazo com juros negativos