Dívida

Portugal paga mais para emitir dívida a 10 anos

Cristina Casalinho, presidente do IGCP
Cristina Casalinho, presidente do IGCP

O IGCP-Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública anunciou que a taxa de juro das OT a 10 anos subiu para 1,854% de 1,727 em julho.

Portugal colocou esta quarta-feira 1.000 milhões de euros de Obrigações do Tesouro (OT) a cinco e a 10 anos, tendo pago mais para colocar a dívida na maturidade mais longa.

O IGCP-Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública anunciou que a taxa de juro das OT a 10 anos subiu para 1,854% de 1,727 em julho. Ainda assim, saiu abaixo da taxa de 1,892% registada no mercado secundário.

Portugal colocou 672 milhões de euros de OT a 10 anos e o leilão atraiu mais interessados, já que a procura foi 2,32 vezes a oferta, acima das duas vezes a oferta no anterior leilão.

Nas OT a cinco anos foram colocados 328 milhões de euros à taxa média de 0,647%, ligeiramente abaixo da taxa de 0,746% em junho. A procura foi mais forte, sendo 3,76 vezes superior à oferta face ao nível de 2,7 vezes no leilão anterior.

“As taxas saíram em linha com o que se esperava: uma ligeira descida nos cinco anos e um ligeiro aumento nos 10 anos, porque em julho houve uma subida pontual nas taxas”, afirmou Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa. “Se compararmos com a emissão, também de 10 anos, feita em junho, a taxa desceu”, adiantou num comentário ao leilão.

Sublinhou o “aumento significativo na procura dos investidores, sobretudo na emissão como prazo mais curto, a que não será alheio o facto de apenas a Itália e a Grécia pagarem mais que Portugal para obter financiamento”.

“O bom desempenho da economia portuguesa tem impedido que o prémio de risco suba mas a principal conclusão destas emissões é que Portugal está a conseguir emitir dívida longa a taxas cada vez afastadas dos 2%, o que é muito benéfico para a redução do custo médio de toda a dívida”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Governo PS congelou mais despesa em 3 anos que PSD-CDS na legislatura toda

O comércio é dos setores mais dinâmicos: nascem muitas empresas novas, mas também encerram muitas. Fotografia: D.R.

Número de empresas a fechar duplicou

Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

Outros conteúdos GMG
Portugal paga mais para emitir dívida a 10 anos