financiamento

Portugal paga menos para se financiar em 950 milhões a 10 e 16 anos

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens
Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

O Tesouro financiou-se me 950 milhões de euros na emissão desta quarta-feira. Taxas caíram face às últimas emissões nestes prazos.

Portugal financiou-se perto do montante máximo pretendido no duplo leilão de Obrigações do Tesouro desta quarta-feira. O Tesouro financiou-se em 950 milhões de euros em títulos a 10 e 16 anos, com as taxas de juro a descerem face às últimas operações com prazos semelhantes. O intervalo definido para a operação era de se obter um financiamento de entre 750 milhões e 1000 milhões de euros.

No prazo a dez anos foram colocados 650 milhões de euros, com uma taxa de 1,727%, abaixo dos 1,919% registados na última operação comparável realizada há cerca de um mês. A procura foi o dobro do valor colocado. Ainda assim, a taxa dessa quarta-feira ficou acima dos 1,67% conseguidos a dez anos em maio, naquela que foi a operação com o juro mais baixo de sempre nesta maturidade.

Já nas Obrigações do Tesouro com maturidade em 2034 foram colocados 300 milhões de euros. Portugal financiou-se neste prazo com um juro de 2,257%. Esta linha tinha sido lançada em abril através de uma emissão sindicada. Na altura os investidores exigiram uma taxa de 2,325%.

Com a emissão desta quarta-feira, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública eleva para cerca de 13 mil milhões de euros o valor obtido em Obrigações do Tesouro, a principal fonte de financiamento do Estado. Ultrapassa 85% do objetivo para a totalidade do ano. Em 2018, a agência liderada por Cristina Casalinho prevê que o país precise de 15 mil milhões de euros em dívida de médio e longo prazo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Franceses, britânicos e italianos foram os que mais pediram o estatuto de residente não habitual. Fotografia: D.R.

Residentes não habituais aumentaram 83% no último ano e meio

O turismo está a impulsionar o investimento hoteleiro no país. Fotografia: D.R.

Vão abrir portas mais 44 hotéis em 2019

António Pires de Lima

Nova plataforma quer colocar gestores experientes ao serviço das empresas

Outros conteúdos GMG
Portugal paga menos para se financiar em 950 milhões a 10 e 16 anos