financiamento

Portugal vai emitir dívida em moeda chinesa

(REUTERS/Thomas White)
(REUTERS/Thomas White)

Desde 2017 que o Estado preparava a emissão de obrigações panda. Operação vai ser realizada na próxima semana.

Portugal vai ser o primeiro país da zona euro a vender dívida em moeda chinesa, as chamadas obrigações panda. O Tesouro delineou esse objetivo no final de 2017. E depois de passar pela certificação das autoridades chinesas, a operação irá avançar na próxima semana, segundo o Eco.

O Tesouro vai emitir dívida a três anos. Prevê financiar-se em dois mil milhões de renminbi, cerca de 260 milhões de euros. O juro a pagar apenas ficará fechado no dia da operação, mas o custo deverá ficar acima das obrigações em euros. Esta terça-feira no mercado secundário, os investidores estão a aceitar perder dinheiro para deter dívida portuguesa. A linha de títulos a três anos negoceia com uma taxa negativa de -0,215%.

O Secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, disse, citado pelo Eco, que o preço mais elevado “é o custo de entrada de um novo mercado”. Portugal terá acesso a um novo mercado “de grande dimensão e com muita liquidez”.

Leia também: Portugal vai emitir dívida chinesa. Pequim aponta vantagens

Já do lado de Pequim, é um reconhecimento do renminbi. Depois de ter integrado o cabaz de moedas de referência do Fundo Monetário Internacional, a China quer reforçar a afirmação da sua moeda a nível global.

O embaixador de Pequim em Lisboa, Cai Run, tinha afirmado em março que a emissão de dívida portuguesa em moeda chinesa era uma “cooperação mutuamente benéfica”. Para a parte chinesa” significará “popularidade” e um contributo para o país “ser bem acolhido pela comunidade internacional”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

Portugal vai emitir dívida em moeda chinesa