Matérias-primas

Preço do barril de petróleo supera fasquia de 85 dólares

Fotografia: REUTERS/Ernest Scheyder
Fotografia: REUTERS/Ernest Scheyder

O ouro negro negoceia em máximos de 2014 depois da Organização dos Países Exportadores de Petróleo não ter aumentado a produção.

O barril de petróleo Brent para entrega em dezembro estava hoje a subir para máximos desde novembro de 2014, a cotar-se cerca das 11:00 em Lisboa a 85,02 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres.

Depois de ter fechado na terça-feira a 84,80 dólares, a recuar 0,21%, o barril de petróleo Brent para entrega em dezembro abriu hoje em alta, mas a cotar-se a 84,93 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres.

Analistas citados pela agência Efe referem que os preços do petróleo, que já na terça-feira tinham subido para níveis acima dos 85 dólares por barril, começaram a subir na semana passada depois de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ter decidido não aumentar os seus objetivos de produção de forma imediata, apesar das pressões dos Estados Unidos.

Os investidores temem uma escassez de petróleo devido a uma possível descida do fornecimento de petróleo quando em novembro forem aplicadas as sanções dos Estados Unidos contra o Irão, que o presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou na terça-feira aumentar ainda mais.

Assim, o Brent tem mantido há dias uma tendência para a alta num ambiente de grande volatilidade pelo medo dos investidores das tensões no mercado.

A redução da distribuição de petróleo pelos Estados Unidos, devido a problemas com infraestruturas, e a recusa da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e da Rússia de aumentarem as quotas de produção de forma imediata para baixar os preços também estão a sustentar a subida do preço do petróleo.

Os preços do petróleo oscilaram particularmente depois de, em 25 de setembro, Trump ter acusado na assembleia geral da ONU a OPEP de “roubar ao resto do mundo” por pressionar os preços para a alta e assim criar um ambiente hostil.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Preço do barril de petróleo supera fasquia de 85 dólares