PSI 20

PSI20 cai 0,91% e Galp lidera descidas

PSI 20 a cair esta sexta-feira
PSI 20 a cair esta sexta-feira

Das 18 cotadas que integram o PSI20, 13 desceram e cinco subiram. A Galp caiu 2,89% para 16,15 euros, acompanhando a descida do preço do petróleo.

A bolsa de Lisboa encerrou esta sexta-feira em baixa, com o índice PSI20 a ceder 0,91% para 5.610,46 pontos, com a Galp a liderar as descidas.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, 13 desceram e cinco subiram. A Galp caiu 2,89% para 16,15 euros, acompanhando a descida do preço do petróleo.

No resto da Europa, as bolsas terminaram sem um rumo definido. Frankfurt subiu 0,65% e Londres 0,18%, mas Paris recuou 0,11%, Milão perdeu 1,54% e Madrid caiu 1,70%.

Segundo analistas, a descida mais acentuada da bolsa espanhola, que viveu a sua pior sessão desde março, deve-se à incerteza política em Espanha, com boa parte da oposição a contestar o Governo liderado por Mariano Rajoy.

No PSI20, a Pharol recuou 2,74% para 0,26 euros, em dia de assembleia-geral da ex-Portugal Telecom, e o BCP também registou uma descida expressiva de 2,50% para 0,26 euros.

A Sonae SGPS perdeu 2,46% para 1,11 euros e a Mota-Engil caiu 2,31% para 3,38 euros.

Com desvalorizações abaixo de 2% encerraram a Altri (7,68 euros), a F. Ramada (12,40 euros), a Semapa (21,35 euros), a REN (2,42 euros) e os CTT (2,86 euros).

Com descidas inferiores a 1% terminaram a Corticeira Amorim (11,66 euros), a Sonae Capital (um euro) e a NOS (4,70 euros).

A Jerónimo Martins liderou as subidas pelo segundo dia consecutivo. Hoje somou 0,58% e ficou em 13,99 euros.

A Ibersol ganhou 0,45% para 11,15 euros, a EDP subiu 0,41% para 3,42 euros, enquanto a Navigator e a EDP Renováveis avançaram 0,37% e ficaram a valer 5,36 euros e 8,09 euros, respetivamente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
PSI20 cai 0,91% e Galp lidera descidas