bolsas

Reserva Federal de Nova Iorque aumenta liquidez após volatilidade em Wall Street

coronavírus
Fotografia: David Dee Delgado/Getty Images/AFP

A Reserva Federal de Nova Iorque anunciou hoje que vai injetar mais liquidez nos bancos para os proteger da volatilidade, num momento de instabilidade em Wall Street, após as operações da bolsa terem sido suspensas por 15 minutos.

A interrupção das operações ocorreu depois de o índice alargado S&P 500 ter descido 7%.

A medida anunciada pela Reserva Federal (Fed) de Nova Iorque destina-se a cobrir essencialmente as necessidades de financiamento a curto prazo e tem como objetivo o correto funcionamento do mercado financeiro.

A Fed de Nova Iorque disse que vai assim aumentar a quantidade de empréstimos a curto prazo que realiza diariamente e quinzenalmente para satisfazer a crescente procura das instituições financeiras e evitar maior tensão à medida que os bancos e as empresas norte-americanas se preparam para enfrentar a crise do coronavírus.

A decisão da Fed nova-iorquina chega num dia marcado pela volatilidade de Wall Street, tendo a insegurança dos investidores levado a uma interrupção das operações por 15 minutos, no início da sessão, depois de o índice S&P 500, que representa as 500 maiores empresas, ter recuado 7% no meio da crise causada pela epidemia de coronavírus e pela queda dos preços do petróleo.

Às 15:00 (hora de Lisboa), cerca de uma hora após o recomeço das operações, a bolsa de Nova Iorque seguia em baixa, com o Dow Jones a perder 6,24% para 24.250,66 pontos e o Nasdaq a ceder 5,65% para 8.090,91 pontos.

O índice alargado S&P 500 perdia 5,62% para 2.805,38 pontos.

Já bastante afetada pelos receios ligados ao coronavírus, a praça nova-iorquina foi também pressionada pelo afundamento do preço do petróleo, que caía mais de 20%.

Em causa, uma decisão da Arábia Saudita de adotar uma política de ‘terra queimada’, ao baixar drasticamente o preço do seu petróleo, após o fracasso na sexta-feira das negociações com a Rússia destinada a aprovar um corte suplementar na oferta para evitar a queda dos preços, numa altura de menor procura devido ao coronavírus.

“A queda dos preços do petróleo é má para os países produtores de petróleo e para as ações do setor da energia”, notou o analista Art Hogan citado pela AFP. Com mais de 13 milhões de barris extraídos diariamente, os Estados Unidos são o primeiro país produtor a nível mundial, à frente da Rússia e da Arábia Saudita.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Reserva Federal de Nova Iorque aumenta liquidez após volatilidade em Wall Street