Bolsa

Ações da Ryanair escorregam 3% após cancelamento de voos

Fotografia: Kai Pfaffenbach
Fotografia: Kai Pfaffenbach

A Ryanair justificou os cancelamentos com o objetivo de melhorar a pontualidade dos voos

Os títulos da Ryanair estão a cair 3,02% na manhã desta segunda-feira. A descida abrupta das ações surge depois de a companhia aérea irlandesa ter anunciado que planeia cancelar entre 40 a 50 voos por dia até outubro.

A Ryanair justificou os cancelamentos com o objetivo de melhorar a pontualidade dos voos e com a necessidade de respeitar regras que obrigam os pilotos e as tripulações a tirar férias.

A companhia assumiu no fim de semana que “cometeu um erro” ao fazer o planeamento das férias dos pilotos, e garante estar “a trabalhar arduamente” para reparar as falhas.

Em comunicado, a Ryanair revelou que o índice de pontualidade caiu abaixo dos 80% nas primeiras semanas de setembro devido a outros fatores como greves, mau tempo e atrasos na capacidade de controlo de tráfego aéreo.

A Ryanair sublinha que cancelar “menos de 2% dos voos” planeados para as próximas seis semanas permitirá ter mais aeronaves disponíveis, “o que ajudará a restituir o nível de pontualidade para a média de 90%”.

A companhia adiantou ao Dinheiro Vivo que “todas as pessoas que têm o voo cancelado estão a ser colocadas no voo seguinte para o mesmo destino, ou é-lhes oferecida a possibilidade de um reembolso total”.

As ações estão a cair 3,02% para os 16,55 euros, o valor mais baixo desde a sessão de 04 de maio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Reformas. Governo quer normalizar pagamentos até ao final do ano

O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante um encontro com empresários a trabalhar em Angola, em Luanda, Angola. O primeiro-ministro termina esta terça-feira, uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos. (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Costa: Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

Bruxelas suspeita de cartel alemão na tecnologia de emissões

Outros conteúdos GMG
Ações da Ryanair escorregam 3% após cancelamento de voos