Bolsa

Science4you confiante de que vai para a bolsa

Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

A retalhista de brinquedos didáticos acredita que o plano para dar liquidez às ações vai atrair investidores.

“Não desistimos à primeira.” Miguel Pina Martins, fundador e presidente executivo da Science4you, não baixou os braços perante o iminente fracasso da estreia da empresa em bolsa, que estava prevista para 21 de dezembro. Pediu autorização ao regulador do mercado para prolongar o prazo da oferta e anunciou um plano para garantir liquidez aos títulos. Para Miguel Pina Martins, estas condições serão suficientes para garantir que vão surgir mais investidores interessados e assim ficar viabilizada a operação. “Estamos mais confiantes agora, que ganhámos tempo”, disse o CEO da Science4you ao Dinheiro Vivo. “Achámos que melhorar um bocadinho a oferta, ao dar mais liquidez, poderia ajudar”, adiantou.

A empresa que vende brinquedos didáticos tenta assim salvar a sua oferta pública que decorre num dos piores momentos no ano nas bolsas. Os mercados acionistas deverão terminar 2018 como o pior ano desde a crise financeira de 2008. Mas as condições adversas e a fraca procura por parte de investidores não fez a Science4you recuar na sua intenção de ser uma empresa cotada. No último dia da sua oferta, a empresa anunciou a intenção de prolongar a operação até ao dia 1 de fevereiro de 2019. Ao mesmo tempo, pediu ainda à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) autorização para acrescentar uma outra adenda ao prospeto da sua oferta. Isto porque a Science4you pretende celebrar com um intermediário financeiro um contrato de liquidez de forma a garantir que as suas ações podem ficar mais atrativas aos olhos dos investidores. O facto de se tratar de uma empresa pequena que pretende ficar cotada no sistema de negociação multilateral Euronext Growth deixa muitos investidores ao largo, por temerem a fraca liquidez nas ações da empresa, ou seja, que registe poucas transações. A empresa garante que até ao dia 11 de janeiro vai informar o mercado sobre a celebração do contrato de liquidez.

Crescer no e-commerce
A Science4you pretende encaixar até 15 milhões de euros em duas operações: uma oferta pública de venda de até 2 755 102 ações e uma oferta pública de subscrição de até 3 367 346 ações, representativas, respetivamente, de 19,85% e de 24,26% do capital social da empresa. As operações avaliam a empresa entre 25 e 34 milhões de euros, dependendo do resultado das ofertas. A retalhista vende as suas ações a 2,5 euros cada. Para que a oferta da Science4you tenha sucesso, precisam de ficar colocadas, pelo menos, 2 040 817 ações.

A coordenação global das ofertas está a cargo do Montepio Investimento. A empresa pretende financiar-se para apostar na área de comércio eletrónico, de acordo com o prospeto enviado ao mercado. O aumento de capital visa financiar a “sua atividade geral e de investimentos futuros, nomeadamente tendo em vista a prossecução do processo de internacionalização e um modelo de negócio focado no e-commerce”.
São acionistas da empresa o Millennium Fundo de Capitalização, com 28,18% do capital, Miguel Martins, com 27,24%, e a Portugal Ventures, que através de diversos veículos detém 34,88%.

Estreias e cancelamentos
Em dois meses, foram duas as operações a ser canceladas na bolsa portuguesa: a da Sonae MC, braço da Sonae para o retalho, e a da Vista Alegre.
Por outro lado, há também sucessos a registar. A Flexdeal, a primeira Sociedade de Investimento Mobiliário para o Fomento da Economia em Portugal, entra em bolsa na véspera de Natal a valer 16 milhões de euros. E a Raize estreou-se em julho, com forte procura. A nível mundial, o número de estreias em bolsas abrandou em 2018. Na Europa, houve mesmo uma quebra do número de novas operações. E foram ainda canceladas ofertas iniciais – mais de 40 na Europa, segundo informações, até outubro, da empresa de dados dos mercados financeiros Dealogic.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Science4you confiante de que vai para a bolsa