Bolsa

Sonae. Entrada em bolsa do negócio de retalho alimentar ainda este ano

Luís Moutinho, Ceo da Sonae MC
Luís Moutinho, Ceo da Sonae MC

A Sonae SGPS prevê que a operação ocorra no último trimestre deste ano.

A Sonae SGPS anunciou esta quarta-feira a intenção de admitir à negociação na bolsa de Lisboa as ações da Sonae MC, estimando que a operação ocorra no último trimestre deste ano.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae SGPS anuncia “a sua intenção de proceder ao lançamento de oferta inicial e admissão à negociação do seu negócio de retalho alimentar, Sonae MC”.

A Sonae MC, segundo o comunicado, “pretende solicitar a admissão à negociação das ações na Euronext Lisbon e, sujeita às aprovações necessárias e condições de mercado favoráveis, é expectável que a admissão à negociação ocorra no último trimestre de 2018”.

A Sonae SGPS afirma que “prevê oferecer uma participação minoritária a investidores não qualificados e qualificados, mantendo-se o acionista de referência da Sonae MC”.

É expectável que a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) seja “uma oferta exclusivamente secundária das ações existentes da sociedade, indiretamente, detidas pela Sonae SGPS (através da sua subsidiária Sonaecenter Serviços, S.A.), a qual pretende manter uma posição acionista maioritária na Sonae MC, tendo como objetivo atingir um ‘free-float’ [ações em negociação em bolsa] mínimo de aproximadamente 25%”, lê-se no comunicado.

A operação, que estará sujeita às condições de mercado e à obtenção das autorizações regulatórias, deve ser composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal (oferta de retalho) e uma oferta particular internacional a certos investidores institucionais (oferta institucional), incluindo a investidores institucionais qualificados (‘qualified institutional buyers’).

De acordo com a informação no comunicado hoje divulgado, a Sonae MC “é o maior operador de retalho alimentar em Portugal, com uma quota de mercado de 21,9%”, com uma rede que abrange 567 lojas de retalho alimentar e 487 lojas de formatos adjacentes localizadas em áreas ‘premium’.

A Sonae MC aumentou o seu volume de negócios de 3.637 milhões de euros em 2015 para 4.055 milhões em 2017, o que representa uma taxa média anual de crescimento de 5,6% neste período, segundo a mesma fonte.

Para o copresidente executivo da Sonae SGPS Ângelo Paupério, citado no comunicado, esta operação “é mais um passo que demonstra a capacidade do grupo para criar valor para os acionistas e conceder às sociedades do seu portefólio a independência necessária para continuar a cumprir as suas ambições de crescimento”.

“Acreditamos que o IPO marca o início de uma nova e importante etapa na nossa história da Sonae MC e estamos ansiosos por alavancar as oportunidades de crescimento que temos pela frente”, afirmou, por sua vez, o presidente executivo da Sonae MC, Luís Moutinho.

A Sonae MC integra os hipermercados Continente, os supermercados de conveniência Continente Modelo e Continente Bom dia, as lojas Meu Super, as cafetarias e restaurantes Bom Bocado e Bagga e os supermercados Go Natural.

Integra ainda a Make Notes, Note! (livraria/papelaria), a ZU (produtos e serviços para cães e gatos), a Well’s (saúde, bem-estar e ótica) e a Dr. Well’s (clínicas medicina dentária e medicina estética), segundo a informação disponível na página da Sonae na internet.

No dia 15 de março, o copresidente executivo do grupo Paulo Azevedo afirmou que a Sonae admitia vir a cotar em bolsa o negócio do retalho, respondendo assim ao interesse demonstrado pelo mercado, mas mantendo sempre uma participação maioritária.

Atualmente, o grupo Sonae tem já cotadas duas empresas no PSI20, o principal índice da bolsa de Lisboa, a Sonae SGPS e a Sonae Capital.

A Modelo Continente chegou a estar cotada, mas saiu de bolsa em 2006.

Notícia atualizada às 9:16 com mais informação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

Revolut. “O produto viral” já tem 300 mil utilizadores em Portugal

Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos. 
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Paulo Macedo: Aumento de comissões na CGD rondará os 2% em 2019

Mário Centeno e Pierre Moscovici. Fotografia: EPA/ARIS OIKONOMOU

Bruxelas com reservas sobre esboço pede plano atualizado

Outros conteúdos GMG
Sonae. Entrada em bolsa do negócio de retalho alimentar ainda este ano