Guerra comercial

Tensão comercial. EUA admitem negociar com China

Donald Trump, presidente dos EUA. Fotografia: D.R.
Donald Trump, presidente dos EUA. Fotografia: D.R.

Bolsas tremeram após a resposta de Pequim às tarifas dos EUA. Washington abre a porta a negociações.

A resposta forte da China às tarifas que os EUA planeiam impor às importações fizeram tremer as bolsas. Mas alguns responsáveis da Casa Branca indicaram que Washington não quer partir para uma guerra comercial, referindo que as medidas planeadas fazem parte de uma estratégia negocial.

O secretário de Estado do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, considerou, numa entrevista à CNBC, que a reação de Pequim era esperada e deixou a porta aberta ao início de negociações. Também Larry Kudlow, um dos principais conselheiros económicos de Trump, referiu, citado pela Reuters, que “estamos na fase inicial de um processo que inclui tarifas e depois decisões definitivas e negociações. Existem já canais de conversações abertos”.

Estas garantias colocaram alguma água na fervura nas bolsas. Depois de terem estado a perder mais de 1,5% na sessão de ontem, as ações americanas recuperaram após os comentários daqueles responsáveis. Terminaram o dia a subir mais de 1%. Já as bolsas europeias não foram a tempo de sair de terreno negativo, encerrando com descidas de entre 0,20% e 0,40%. Wilbur Ross disse não perceber os receios dos investidores, já que as tarifas anunciadas não têm grande impacto económico e já tinham sido sinalizadas.

O nervosismo tinha aumentado depois de o ministério do Comércio da China ter indicado que estava “a preparar medidas na mesma força e extensão contra produtos dos Estados Unidos”. Washington prepara sobretaxas aduaneiras em 1.300 produtos chineses que representam um volume de importações de 50 mil milhões de dólares. Pequim promete responder com restrições a mais de 100 produtos americanos que representem importações do mesmo valor.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Frente Comum diz que é “inaceitável” negociar salários depois do orçamento

O secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos. MÁRIO CRUZ/LUSA

CGTP apela ao PM para negociar salários no Estado antes do Orçamento

Tensão comercial. EUA admitem negociar com China