Cimpor

Títulos da Cimpor deixaram de estar cotados em bolsa

Despedimentos não irão afetar as unidades fabris da Cimpor

Comissão do Mercado de Valores Mobiliários aprovou a retirada de bolsa da Cimpor, e já não negoceia em mercado regulamentado.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aprovou a retirada de bolsa da Cimpor — Cimentos de Portugal, conforme requerido pela empresa detida pelos brasileiros da Camargo Corrêa, e esta quarta-feira já não negoceia em mercado regulamentado.

Em comunicado, a CMVM adianta que a deliberação de deferimento do pedido de perda da qualidade de sociedade aberta da Cimpor foi tomada em reunião do conselho de administração realizada em 26 de setembro, tendo efeitos a esta data, isto é, hoje os títulos já não negoceiam em bolsa.

Segundo explica, o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta foi apresentado à CMVM na sequência da mesma ter sido deliberada em assembleia geral de acionistas da Cimpor, realizada a 21 de junho de 2017.

“Para efeitos do cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Código dos Valores Mobiliários, a InterCement Austria Holding GmbH [empresa do grupo Camargo Corrêa] obrigou-se a adquirir as ações detidas pelos acionistas que não tenham aprovado a referida deliberação, tendo para o efeito caucionado o respetivo pagamento junto do Haitong Bank, S.A.”, refere.

“O valor global da contrapartida — acrescenta a CMVM – fica disponível pelo prazo de três meses a contar da presente publicação, pelo preço unitário de 0,34 euros por ação”.

A publicação da decisão da CMVM sobre a perda de qualidade de sociedade aberta da Cimpor implica “a imediata exclusão da negociação em mercado regulamentado das ações da sociedade e dos valores mobiliários que dão direito à sua subscrição ou aquisição, ficando vedada a sua readmissão pelo prazo de um ano”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Títulos da Cimpor deixaram de estar cotados em bolsa