Imobiliário

Vic Properties pretende entrar em bolsa

A Vic Properties é uma promotora imobiliária focada no mercado residencial nacional. O Prata Riverside Village  está localizado na zona do Braço de Prata, em Lisboa. Foto: Direitos Reservados.
A Vic Properties é uma promotora imobiliária focada no mercado residencial nacional. O Prata Riverside Village está localizado na zona do Braço de Prata, em Lisboa. Foto: Direitos Reservados.

A promotora imobiliária admite entrar em bolsa em 2020. Lisboa será, à partida, a praça escolhida.

A promotora imobiliária Vic Properties – focada no mercado imobiliário residencial português – pretende entrar em bolsa no próximo ano, com a bolsa nacional a ser, neste momento, a opção mais provável.

“O nosso grande projeto é listar a empresa em bolsa. A ideia é entrar em bolsa e permitir que mais investidores – tanto investidores de retalho como de investidores institucionais – ganhem exposição ao mercado imobiliário não apenas através da compra de imóveis”, confirmou aos jornalistas João Cabaça, CEO da Vic Properties, numa conversa com os jornalistas, esta quarta-feira, 9 de outubro.

A empresa está já em contacto com bancos internacionais para preparar a entrada no mercado de capitais, algo que o CEO admite que pode acontecer no primeiro semestre de 2020 na bolsa de Lisboa. Este passo de abertura do capital surge depois de já este ano a promotora imobiliária ter concluído com sucesso a emissão de 250 milhões de euros em Obrigações Convertíveis Garantidas.

“A Vic Properties levantou 250 milhões de euros em obrigações convertíveis em equity que foram subscritas pelos grandes investidores internacionais. Foi um processo que lideramos com bancos de investimento e que permitiu capitalizar a empresa neste montante e que faz parte da nossa estratégia de crescimento”, disse João Cabaço.

Prata Riverside Village

Um dos projetos que esta promotora imobiliária tem em mãos é o desenvolvimento do Prata Riverside Village. Localizado na zona lisboeta do Braço de Prata, a empresa tem 12 lotes de terreno, dos quais 10 são para a área residencial. Os restantes dois vão ser usados para a criação de infraestruturas nomeadamente de lazer. O investimento total é na casa dos 400 milhões de euros.

Um dos lotes destinado ao mercado residencial, que está precisamente de frente para o rio, já está construído e habitado. Outro – igualmente de frente para o rio – está em construção, que deverá estar concluída em julho de 2020. Aí vão nascer 40 apartamentos. A conclusão da construção de todos os lotes deverá estar concluída dentro de quatro anos, acredita a empresa.

A Vic Properties tem ainda outro grande projeto em cima da mesa. Em junho, anunciou a compra do terreno da Matinha, na freguesia de Marvila, onde prevê construir mais de duas mil casas nos próximos anos. Os valores do negócio não são conhecidos. O terreno foi comprado ao Novo Banco.

Juntando este projeto com o Prata Riverside Village, serão cerca de 2700 as novas habitações que vão surgir naquela área nos próximos anos. A Vic Properties indica em junho que o terreno da Matinha tem cerca de 20 hectares e 260 mil metros quadrados de área de construção prevista. A promotora garante que este é “um dos maiores projetos imobiliários do século em Portugal”. As obras no terreno devem arrancar no início do próximo ano e, além das habitações, está prevista a construção de “diversas infraestruturas dedicadas ao lazer e aos serviços”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Vic Properties pretende entrar em bolsa