Buzz

Fundador da Wired: “Acham que as fake news são más? Vai ficar ainda pior”

A carregar player...
Fundador da Wired: “Acham que as fake news são más? Vai ficar ainda pior”

A propagação de notícias falsas ou adulteradas é vista como ameaça aos meios de comunicação social e à democracia. Mas David Rowan, fundador da Wired, diz que podem ser uma oportunidade

“Se acham que as fake news (notícias falsas) já são más, isso vai ficar ainda pior”. O alerta é de David Rowan, jornalista que fundou a revista Wired e que foi orador no encontro anual Top Advertisers, organizado pelo Global Media Group (GMG), dono do Dinheiro Vivo, do DN, JN e da rádio TSF, e que distinguiu os principais anunciantes do último ano.

Um dos mais recentes exemplos das informações falsificadas foi a imagem de um dos jogador da NFL a queimar a bandeira norte-americana, divulgada já depois do conflito com a comunicação social norte-americana e na mesma semana em que Trump abriu guerra à liga de futebol-americano, acusando os seus atletas de “desrespeitarem o país”. Essa fotografia, que adensou as hostilidades, era, afinal, falsa.

Rowan considerou que os factos adulterados, visto por muitos como uma séria ameaça aos meios de comunicação social (e à própria democracia) pode, afinal, ser uma oportunidade. “Os jornalistas e editores estão a pôr, robôs e falta de confiança, são os jornalistas de confiança que mantêm a credibilidade e a quem as pessoas recorrem”, afirmou. O investigador acredita que “nós, jornalistas, conseguimos fazer coisas que a internet não consegue. Nós temos a confiança das nossas comunidades e chegamos às pessoas de todo o país – ou mundo – e não apenas a pequenas bolhas opinativas”.

Faz, por isso, sentido pagar pela informação nos dias de hoje? “Sim, se ela não estiver em mais lado nenhum”, defende, dando como exemplo de publicações como o norte-americano The New York Times ou o britânico The Guardian, que foram contra a corrente e investiram no jornalismo de investigação para depois o venderem aos leitores. Ambos tiveram sucesso com a ideia, que é uma das várias que podem ser usadas para alargar e proteger as receitas de um grupo comunicativo ou de qualquer empresa.

Uma delas, explica Rowan, é estar consciente que “a hierarquia já não é o que mais importa”, como fez a produtora de jogos finlandesa Supercell, cujo CEO, Ilkka Paananen, que disse que “queria ser o CEO menos poderoso do mundo” e que alocou tarefas exclusivas às diferentes “células” da empresa, hoje em dia autora da maioria dos jogos para mobile mais descarregados pelo mundo.

Outra opção é “encontrar vantagens fora da zona de conforto” e olhar para casos como o do banco finlandês OP, que investiu em hospitais privados, com os quais estabeleceu parcerias e vendeu produtos como seguros de saúde incrivelmente lucrativos.

“Tornar-se numa plataforma” também é uma decisão eficaz. Veja-se o exemplo da fabricante de telemóveis chinesa Xiaomi, que investiu em 76 pequenas startups de hardware e que alargou a oferta de produtos além dos smartphones, como purificadores de ar ou os famosos carregadores portáteis, conhecidos como power banks. Estes produtos, não sendo da Xiaomi, têm o logótipo da tecnológica estampados. Com esta ideia, as startups tiveram acesso a um mercado de 150 milhões de clientes, enquanto a Xiaomi alargou o leque de ofertas.

O público, as audiências ou os clientes têm um papel que não deve ser ignorado. Eles ajudam a “criar um ecossistema”, diz o jornalista, que recorre ao caso da fabricante de smartphones One Plus, que criou uma secção e destacou uma equipa para analisar sugestões dos seus utilizadores. No meio delas estava a ideia de criar capas de bambu, um produto exclusivo da marca que hoje é exportado para todo o mundo.

Há, no entanto, um risco associado a tudo isto, o “pensamento estagnado”, ou seja, acreditar que o modelo de negócio atual vai servir para sempre. A maior vítima desse erro foi a Nokia, que durante anos a fio liderou o mercado dos telemóveis e que, meses antes de ter sido lançado o primeiro iPhone, era capa da Forbes. “Quem consegue apanhar o rei dos telemóveis”, questionava a manchete da revista na altura. Não levou muito tempo a que se encontrasse a resposta à pergunta.

Liderança reforçada

David Rowan foi o orador principal do encontro anual Top Advertisers, onde o Global Media Group premiou os seus principais parceiros anunciantes. Durante o evento, Victor Ribeiro, CEO do GMG, anunciou que 2017 foi “um ano de consolidação dos projetos já existentes, de consolidação da liderança no digital e do reforço da oferta informativa reforçar a oferta informativa do Global Media”.

se 2017 contou com o lançamento de duas novas marcas editoriais, o Motor24 e a N-TV, este ano também vai ter novidades, que começam já este mês, com o lançamento da primeira edição da revista Woman’s Health, mas não só. “Haverá também novas marcas que continuarão a reforçar a cobertura das audiências do grupo, e haverá sobretudo uma grande aposta na área do vídeo em todas as marcas existentes”, concluiu o CEO.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR. Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
Fundador da Wired: “Acham que as fake news são más? Vai ficar ainda pior”