À Procura de Diana. Cacharel justifica-se: Ação “saiu do controlo das equipas”

A Cacharel justifica-se
A Cacharel justifica-se

A ação À Procura de Diana “fugiu do controlo das equipas” e “não havia intenção de gerar notícias”. Foi hoje esta a reação da Cacharel às críticas da ação À Procura de Diana, que ontem a marca revelou ser uma campanha de promoção do perfume Catch Me.

Ao Dinheiro Vivo, Ana Clara Martines, porta-voz da Cacharel, frisa que À Procura de Diana, onde um jovem de nome Ricardo procurava o seu amor, uma misteriosa Diana, de partida para Paris, era inspirado no conceito da campanha do perfume e “uma campanha que se pretendia de marketing digital”, mas que extrasou as redes sociais, tendo saído “do controlo das equipas”. “Não havia intenção de gerar notícia e acabou por utrapassar os limites” do digital, frisa.

A ação, recorde-se, começou no Facebook com a criação da página À Procura de Diana que teve cerca de 29 mil seguidores. Das redes saltou para páginas de jornais e teve direito a reportagens na televisão. Em nenhum momento foi divulgado que a procura da misteriosa jovem se tratava de uma ação de marketing para uma marca de perfume.

No Facebook a reação foi imediata, com a criação de uma página Manifesto Anti-Cacharel, que neste momento, já vai em cerca de 3 mil seguidores.

Ana Clara Martines nega que a campanha, que diz ter sido criada internamente, se tenha inspirado na brasileira Perdi o Meu Amor na Balada, criada para a promoção do Nokia Pure View 808.”É apenas uma coincidência”, diz.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
À Procura de Diana. Cacharel justifica-se: Ação “saiu do controlo das equipas”