À terceira é de vez? Playboy portuguesa regressa às bancas

Edição portuguesa da icónica revista regressa em junho
Edição portuguesa da icónica revista regressa em junho

A Playboy portuguesa vai regressar ao mercado nacional em junho através da editora Black Rabbit, de Bernardo Coelho e Marco António Reis.

É a terceira tentativa da revista masculina de lançar uma edição portuguesa, depois da Frestacom (2019) e da Mediapage (2012) e a segunda vez que Marco António Reis vai dirigir a publicação.

À terceira é de vez? “Acredito que sim”, diz Marco António Reis ao Dinheiro Vivo. A aposta da marca internacional surge depois de meses de negociação, mas conhecedor do mercado português de revistas masculinas, onde praticamente depois do fima da Penthouse e da GQ na edição em papel só existe a Men’s Health, embora com um foco mais de fitness, Marco António Reis acredita que a marca icónica tem capacidade para se afirmar.Isto apesar do sector das masculinas

“Não vamos apostar só na edição em papel”, frisa, lembrando que só no Facebook a marca tem mais de um 1,4 milhões de seguidores, números que a marca vai querer rentabilizar, bem como através da organização de eventos.

No papel, a Playboy vai ter uma tiragem de 20 mil exemplares e distribuição nacional, mas Marco António Reis não arrisca valores de vendas. “Temos de ter neste sector expectativas de vendas e de receitas publicitárias conservadoras”, reforça o diretor que, nesta terceira tentativa, é também sócio da editora.

Vão apostar em capas com mulheres/modelos portuguesas? “Sim”, assegura o diretor, “mas não estamos obcecados com celebridades”, frisando que, nesse campo, vão seguir o exemplo da revista norte-americana que contrabalança celebridades, com mulheres desconhecidas até chegarem à capa da revista masculina.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Centeno mantém crescimento de 1,9% este ano. Acelera para 2% no próximo

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
À terceira é de vez? Playboy portuguesa regressa às bancas