À terceira é de vez? Playboy portuguesa regressa às bancas

Edição portuguesa da icónica revista regressa em junho
Edição portuguesa da icónica revista regressa em junho

A Playboy portuguesa vai regressar ao mercado nacional em junho através da editora Black Rabbit, de Bernardo Coelho e Marco António Reis.

É a terceira tentativa da revista masculina de lançar uma edição portuguesa, depois da Frestacom (2019) e da Mediapage (2012) e a segunda vez que Marco António Reis vai dirigir a publicação.

À terceira é de vez? “Acredito que sim”, diz Marco António Reis ao Dinheiro Vivo. A aposta da marca internacional surge depois de meses de negociação, mas conhecedor do mercado português de revistas masculinas, onde praticamente depois do fima da Penthouse e da GQ na edição em papel só existe a Men’s Health, embora com um foco mais de fitness, Marco António Reis acredita que a marca icónica tem capacidade para se afirmar.Isto apesar do sector das masculinas

“Não vamos apostar só na edição em papel”, frisa, lembrando que só no Facebook a marca tem mais de um 1,4 milhões de seguidores, números que a marca vai querer rentabilizar, bem como através da organização de eventos.

No papel, a Playboy vai ter uma tiragem de 20 mil exemplares e distribuição nacional, mas Marco António Reis não arrisca valores de vendas. “Temos de ter neste sector expectativas de vendas e de receitas publicitárias conservadoras”, reforça o diretor que, nesta terceira tentativa, é também sócio da editora.

Vão apostar em capas com mulheres/modelos portuguesas? “Sim”, assegura o diretor, “mas não estamos obcecados com celebridades”, frisando que, nesse campo, vão seguir o exemplo da revista norte-americana que contrabalança celebridades, com mulheres desconhecidas até chegarem à capa da revista masculina.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
À terceira é de vez? Playboy portuguesa regressa às bancas