AdWin. Aqui as marcas pagam para você ver os seus anúncios

ng3097280

AdWin é uma plataforma feita por portugueses e apresenta-se com uma
proposta diferente: aqui as marcas pagam para os consumidores verem as
suas campanhas.

José Abecasis Soares – consultor e empreendedor
por trás de projetos como o Ice Care ou a GSoft Technology Solutions – é
o responsável pelo projeto que já envolve 12 pessoas “entre consultores
externos e equipa de desenvolvimento”.

L”Óreal Paris, Warner Bros., Garnier, Campofrio, Fitness Hut, Chilli Beans, HPP Saúde ou Presença são algumas das marcas que já aderiram à plataforma AdWin.

José Abecasis Soares não revela valores de investimento, nem de faturação prevista.

O que é que a AdWin oferece de novo às marcas?

A plataforma AdWin nasce da necessidade de criar uma plataforma online que permita completar o ciclo de venda, desde a divulgação de um produto, até ao lead de venda desse produto. As ofertas atuais de marketing digital, não atendem essa necessidade. O YouTube permite gerar grandes volumes de visualização de vídeos, mas é estéril no momento de dar continuidade ao interesse gerado pela marca. O Facebook permite angariação de fãs, mas é limitado em termos de vídeo, feedback e venda. O sites de descontos, procuram uma interação oportunista, ou seja, não estimulam a relação a longo-prazo do cliente com a marca.

A AdWin é a única plataforma que completa o ciclo de venda online e onde os utilizadores escolhem o conteúdo que pretendem ver, em função do interesse pessoal na marca ou produto – neste aspecto muito diferente de um pre-roll do YouTube – o nível de engagement na AdWin é muito superior aos outros meios (digitais ou não).

Como vão garantir essa promessa? Ou seja, como vão assegurar que os consumidores vão ver a publicidade e partilhá-la?

O conceito é totalmente inovador e não sabíamos se teria ou não a adesão do público. Até ao momento, os números são muito animadores. Temos marcas com níveis de interação (visualização) de 400% para o número de membros. Estamos com uma média 12,4 vídeos visualizados por cada membro da plataforma. A média de presença na plataforma é de de 7″:30″” por visita.

Como remuneram os consumidores?

Há três tipos de benefícios óbvios para o utilizador: O Prémio AdWin, em que regularmente a AdWin vai partilhar uma percentagem das receitas da plataforma, com um dos nossos membros activos (sorteando um valor pré-definido, sob a forma de cartões de débito pré-pagos – que podem ser utilizados em qualquer meio de pagamento automático; prémios das marcas – cada marca oferece um prémio em produto/serviço da marca (sorteado entre os utilizadores que viram e/ou partilharam o vídeo e/ou responderam ao breve questionário no fim do vídeo – cada ação gera um cupão para o sorteio). E, por fim, outros descontos, amostras e ofertas que as marcas podem ter nas suas brand pages dentro da plataforma AdWin.

A seleção é feita apenas por sorteio ou quem mais ver ou partilhar campanhas recebe o prémio?

Apenas por sorteio. A plataforma AdWin está blindada contra os típicos “caça-prémios”. Construímos um modelo de atribuição de pontos, que permite que qualquer utilizador com uma utilização “normal”, tenha as mesmas hipóteses de ganhar que um heavy user.

Qual é o modelo de negócio da plataforma com as marcas?

Atualmente o modelo de negócio assenta no pagamento de visualizações, respostas as questionários e partilhas no Facebook.. Um modelo de CPL (leads) poderá ser aplicado em casos específicos.

É uma política de remuneração fixa ou variável baseada no sucesso da ação?

Totalmente variável dependendo do sucesso da ação (visualizações, questionários e partilhas) e dos objetivos da marca, que pode estabelecer um limite máximo de interações pretendido. Antes de qualquer campanha, a marca é informada de quais os volumes de interação previsíveis, e define o seu investimento de acordo com essa previsão.

Que investimento é que a AdWin implicou?

Os principais investimentos estão relacionados com a criação e desenvolvimento da plataforma. Até ao final do ano, a maioria do investimento será dedicado à divulgação, promoção e angariação de membros para a plataforma.

Qual a expectativa de facturação?

No ano de lançamento de um conceito totalmente inovador é prematuro avançar com valores previstos de faturação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
AdWin. Aqui as marcas pagam para você ver os seus anúncios