Apple

Apple. Entre a espada e os chineses

A Apple está a ter o seu momento Nike. Ou o seu momento Starbucks. O nome é diferente, o conceito é o mesmo: grandes marcas que são apanhadas num escândalo que envolve trabalho escravo (ou perto disso) nalguma fábrica longínqua. O nome é Foxconn, a principal parceira asiática da Apple, a quem encomenda a montagem dos iPads e iPhones.

A Foxconn reflecte tudo aquilo que no Ocidente se considera inaceitável. Condições de trabalho deploráveis, com disciplina militar, empregados que passam seis a sete dias por semana a trabalhar em turnos de 14 horas. Sacrifícios que permitem iPads a 499 euros e que caem mal quando a Apple apresenta vendas e lucros recorde.

Há aqui alguma injustiça quando se fala apenas da Apple, já que a Foxconn também monta as consolas Xbox 360 da Microsoft e os computadores da Dell e da HP. Nenhuma destas empresas se pronunciou sobre os seus contratos com a empresa chinesa.

Mas é natural que o foco recaia sobre a Apple. Basicamente, a marca beneficiou nos últimos anos de uma linha de produção com condições precárias e inaceitáveis pelos padrões ocidentais. Se produzisse o iPad noutro lado, não o venderia por estes preços.

Pior.Isto já se sabe há pelo menos dois anos. Sim, a Apple pediu uma inspecção da Fair Labor Association e permitiu à ABC News que entrasse nas fábricas para fazer reportagem. Mas porquê só agora? No ano passado houve suicídios na Foxconn. Em 2010 reportagens televisivas denunciaram a situação. Estas medidas deviam ter sido tomadas há muito mais tempo.

A questão é que nos habituámos a preços artificialmente baixos porque tudo é produzido na China. Tem que haver uma mudança de mentalidade: e tem que haver um acordo de princípios que abranja todas as empresas. Um código de conduta para fornecedores, como têm empresas como a Ikea.

A China em desenvolvimento vai ter de pagar melhor aos seus empregados e permitir-lhes melhores condições de vida. E os consumidores no Ocidente vão ter de lidar com isso. Tablets a 80 euros se calhar são insustentáveis. Não vale a pena vociferar contra a Apple se anda tudo na internet à procura da pechincha e a criticar as fabricantes porque acham que os preços são muito elevados.

E a Apple também não pode vir agora dizer que as condições de trabalho são uma preocupação da empresa, quando foram precisos anos para tomar medidas.

Acima de tudo: talvez seja necessário repensar a forma como se aceitam negócios da China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Foto: REUTERS/Ilya Naymushin

Já há uma fatwa contra o Pokémon Go

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu

Bruxelas propõe suspensão de 16 fundos como sanção a Portugal

pika

Pikachu vai ser a estrela de um novo filme de animação

Nacho Doce/Reuters

Oi quer ouvir juiz sobre destituição de administradores da Pharol

Vila de Cascais

Vhils estreia técnica de explosão vertical em estátua de pescador em Cascais

Fotografia: REUTERS/Susana Vera

Como negociar com um mentiroso

Conteúdo Patrocinado
Apple. Entre a espada e os chineses