Tecnologia

Batman v Super-Homem em 4DX. Isto não é cinema, é outro espetáculo

"Batman v Super-Homem" estreia esta quinta-feira nos cinemas NOS. No GaiaShopping, há a primeira e única versão em 4DX em Portugal.
"Batman v Super-Homem" estreia esta quinta-feira nos cinemas NOS. No GaiaShopping, há a primeira e única versão em 4DX em Portugal.

O Dinheiro Vivo assistiu à ante-estreia do filme "Batman v Super-Homem" na primeira sala de cinema do país com tecnologia 4DX, no GaiaShopping.

Chamam-lhe cinema, mas trata-se de outro espetáculo inteiramente novo. Se cresceu a jogar videojogos, a assistir a filmes de ação, a testar os primeiros simuladores de realidade virtual e a medir níveis de emoção da última montanha russa que experimentou, então prepare-se para adorar a nova – e para já única – sala de cinema 4DX que a NOS estreia, esta quinta-feira à noite, no GaiaShopping.

Quem assiste fica a saber qual a sensação de levantar voo a velocidade super-sónica como o Super-Homem, com que força é atirado contra o banco se andar no espetacular “batmobile” em perseguição a alta velocidade e, também (para a menina), como é ser apanhada a meio de uma queda vertiginosa pelos braços do seu herói e ser suavemente pousada no chão (só falta mesmo sentir aquele beijo)… É caso para dizer que não vai chorar os 12 euros que custa cada bilhete se a descrição já o deixa entusiasmado.

“Batman v Super-Homem” em 4DX não se trata de cinema, porque o espectador não interpreta sozinho a ação, nem tem oportunidade de assistir passivamente para tirar conclusões apenas no fim. É, literalmente, atirado para o meio da história, aos trambolhões, ao pontapé, aos encontrões e aos empurrões; ou, mais suavemente, quando uma brisa leva as folhas pelo chão e arrefece a temperatura da sala ou lhe salta um leve borrifo de água para cara. Ora assume o papel de narrador, voando sobre a cena com os cabelos em redemoinho, ora toma parte na história do lado do vilão ou do super-herói, à vez, sentindo cada murro e cada queda de tal forma que só nota que estava a contrair os abdominais quando termina a cena. E só quando termina o filme consegue respirar fundo e esboçar o enorme sorriso com que os que assistiram à ante-estreia saíram da sala.

Poucos desistiram de ver “Batman v Super-Homem” (e foi logo na primeira metade), porventura por não terem apreciado os pequenos sustos até primeira cena de perseguição, a tal que agarra os espectadores ao filme e a esta tecnologia, ensinando-os finalmente que o crescendo de tremeliques das cadeiras antecipa momentos de grandes emoções, por vezes quase insuportáveis a nível visual devido a clarões de luz que ofendem a vista, desistindo de resistir ao movimento da cadeira e entregando-se às sensações. A maioria, mais novos e mais velhos, homens e mulheres, todos riram no anti-clímax da piada contada pela mãe de Clark Kent, todos sofreram no momento de apoteótica tensão final e irão, certamente, recomendar a experiência de pura adrenalina.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Batman v Super-Homem em 4DX. Isto não é cinema, é outro espetáculo