Tecnologia

Carro autónomo bate em autocarro. Google assume “alguma responsabilidade”

Empresa norte-americana protagoniza testes com automóveis sem condutor em condições reais

A Google está envolvida no primeiro acidente de sempre com um carro autónomo. Um dos automóveis sem condutor testados pela tecnológica norte-americana bateu a 14 de fevereiro num autocarro municipal no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. A informação só foi tornada pública na noite de segunda-feira.

O carro da Google estava a tentar sair de uma situação de para arranca quando o motorista de um autocarro municipal não reduziu a velocidade para dar espaço ao automóvel sem condutor, o que deu origem a uma pequena colisão, refere o documento enviado ao regulador de veículos motorizados da Califórnia.

Leia aqui. A febre dos carros sem condutor. O que pode correr mal

A Google já admitiu “alguma responsabilidade” pelo acidente, “porque se o nosso carro não se tivesse mexido, então não haveria a colisão. Por agora, os nossos automóveis vão perceber melhor que os autocarros (e outros veículos pesados) dão, com menos probabilidade, espaço a outro tipo de automóveis”, de acordo com as respostas enviadas à CNBC.

Este é um “exemplo clássico de negociação e que faz parte da condução diária – todos tentamos antecipar os movimentos uns dos outros”, acrescenta a empresa ao Financial Times.

Leia aqui. Sem mãos e sem pés: experiência num carro autónomo

O especialista em robótica Jerry Kaplan nota que “não há nada de terrível nesta situação, visto que ninguém ficou ferido ou morreu. Mas ainda há de passar muito tempo até que estes carros possam ser guiados em ruas com muito trânsito e sigam as convenções sociais usadas pelas pessoas”, comenta à mesma publicação britânica.

Este caso ocorreu numa altura em que a Google recusa uma proposta do Estado da Califórnia para que os carros sem condutor sejam testados com pessoas no interior e que possam tomar conta do valor em caso de emergência

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Carro autónomo bate em autocarro. Google assume “alguma responsabilidade”