culinária

Chef Rocha Vieira conquista estrelas Michelin para a Hungria

Chef Miguel Rocha Vieira
Chef Miguel Rocha Vieira Foto: Jorge Amaral/Globalimagens

Não se fala noutra coisa na Hungria. O novo Costes Downtown, em Budapeste, ganhou uma estrela Michelin e o mais antigo volta a renovar a que já tinha.

A responsabilidade é de Miguel Rocha Vieira, atual chef do restaurante da Fortaleza do Guincho, que veio do Costes Downtown, em Budapeste, na Hungria depois de ter conquistado um estrela Michelin, a única naquele país.

Só que o Costes voltou agora a ganhar. Não uma estrela Michelin, mas duas estrelas Michelin: uma para o Costes Restaurant, onde o chef português é consultor, e a primeira para o Costes Downtown, inaugurado há dez meses.

Chef Miguel Rocha Vieira

Quando não se está à espera de uma coisa boa e ela acontece, é uma boa surpresa”

Se a estas duas estrelas, se juntar aquela que a Fortaleza do Guincho detém desde novembro do ano passado, torna-se o único chef português com três estrelas Michelin em simultâneo.

Ao Dinheiro Vivo, o chef português diz que “quando não se está à espera de uma coisa boa e ela acontece, é uma boa surpresa”, frisando que não é uma vitória individual, mas de muitas pessoas.

E agora? “O papel do chef passa mais por motivar, ser didático” em relação aos recursos humanos, sendo valorizado o “talento, a paixão, o tempo que estão com o chef e a dedicação”. Elementos, aliás, que fazem “um bom chef”, segundo definição de Miguel Rocha Vieira.

“Vou continuar a fazer o que tenho feito até aqui e bem feito”, diz, apressando-se a esclarecer: “Mas eu sou chef aqui [Fortaleza do Guincho].” Promete ir todos os meses à Hungria, ao restaurante Costes, mas é no Guincho que tem o seu trabalho, onde as “coisas estão mais afinadas, mas ainda há um longo caminho pela frente”. Trata-se de “uma evolução, e ainda estamos a trabalhar juntos, a conhecer-nos, a aprender”, diz.

Promete ir todos os meses à Hungria, ao restaurante Costes, mas é no Guincho que tem o seu trabalho, onde as “coisas estão mais afinadas, mas ainda há um longo caminho pela frente”

Na ementa, a aposta recai sobre os peixes e mariscos. “Em 14 pratos, apenas um é de carne”, aponta, reconhecendo que “até pode ser muito arriscado”. Mas esta é a via de mostrar o que de melhor faz Portugal enquanto país e sempre a pensar no cliente nacional e estrangeiro. “Sem pressas, com muita calma”, defende.

É possível pedir calma a um chef ou a falta dela é uma ideia estereotipada? “É verdade. Eu ando a 300 km à hora, mas tento transmitir esta calma”, confessa Rocha Vieira que lembra que começou por ser muito efusivo para agora guardar as coisas mais para si.

Atualmente, a meio das gravações do programa da TVI, “Master Chef Junior”, Rocha Vieira diz que tem de ir roubar tempo ao descanso, mas teve a compensação de descobrir que gosta imenso de crianças. “É incrível como é que um puto de 8 anos tem noção de sabor, sabe temperar coisas, eu estava longe disso quando tinha a idade deles”, diz o chef, que recorda que pensava em tudo menos em comida.

Quanto às razões que atraem os miúdos pela culinária, o chef desvaloriza a influência dos chefs pop star. “Eu sou um cozinheiro, não uma pop star”, mesmo aparecendo na televisão. “Tiro a maquilhagem, visto a jaleca e sou um cozinheiro. É a minha profissão”, diz, ainda que as pessoas o olhem de forma diferente. “Apenas saímos do buraco”, atira entre risos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Chef Rocha Vieira conquista estrelas Michelin para a Hungria