criativosnomundo

Criativos no mundo. “Ser copywriter português nos EUA é mais difícil. Tem que se trabalhar, ler e escrever mais”

ng4468369

Mudou-se de Paris para Nova Iorque há sete meses. É sénior copywriter da Johannes Leonard. Tudo por causa de um quadrado de chocolate retirado às tabletes da Milka que lhe deu 4 Leões no Cannes Lions.

Se o percurso de Miguel Durão fosse uma rota de avião tinha como destino Nova Iorque, com ligação via Londres e Paris. Desde janeiro que chegou à Big Apple. A cidade que lhe tinha dito, sem lhe dizer, que tinha de ganhar prémios e reconhecimento antes de carimbar o passaporte de entrada.

Trabalha contas como Adidas, TripAdvisor, Coca-Cola ou Google. Miguel Durão é um dos criativos portugueses pelo mundo. Agora conta a sua história.

Leia aqui o testemunho de outros criativos pelo mundo: João Coutinho (Grey de Nova Iorque) e Paulo Martins (72andSunny), Vasco Vicente (Wieden + Kennedy de Amesterdão), Ricardo Adolfo (Ogilvy & Mather Japão) e Susana Albuquerque (Tapsa Y&R Madrid)

Optaste por ir para o exterior. Porquê?

Liberdade para criar e dinheiro para produzir. É inegável que fora de Portugal há mais dinheiro para a produção de campanhas mas esse dinheiro não vai resultar em melhores campanhas se não houver liberdade para criar. Em Portugal a mentalidade é conservadora e grande parte das marcas têm medo de fazer diferente. Mas acredito que isso está a mudar e que há cada vez mais marcas em Portugal a perceberem que, hoje em dia, o verdadeiro risco está em não fazer diferente.

Porquê Paris e a Buzzman?

Na verdade sempre escolhi Nova Iorque, Nova Iorque é que não me escolheu a mim. Disse-me, sem nunca o ter dito (porque é sabido), que para eu ir para lá teria que ganhar prémios internacionais e visibilidade. Por isso saí à procura do que me faltava. Escolhi Londres, a Nova Iorque da Europa. Um mercado espetacular e difícil de entrar. Quando me mudei para Londres fiz um vídeo de auto-promoção que chamou a atenção não só de agências de Londres mas também de Paris.

A carregar player...

Acabei por receber uma chamada da Buzzman, apenas 15 dias depois de chegar a Londres, a convidarem-me para ir para Paris. Pela primeira vez era a cidade que me escolhia a mim. Fiquei muito feliz com o convite mas tinha acabado de fazer uma grande mudança, não estava preparado para fazer outra tão cedo. Foi então que a Buzzman me propôs fazer alguns trabalhos como freelancer para eles. Naturalmente aceitei.

Enquanto estava em Londres a trabalhar como freelancer para agências londrinas, fiz três trabalhos como freelancer para a Buzzman, o último dos quais para a Milka. Depois desse último trabalho e 6 meses depois da chegada a Londres chegou um segundo convite da Buzzman para me mudar para Paris. Eu tinha gostado muito de trabalhar com a agência até então, por isso decidi aceitar. Quando se faz 3 freelances para a mesma agência, se apresenta uma média de 6/7 ideias por briefing e a que eles escolhem é, invariavelmente, a nossa preferida, não restam muitas dúvidas. No início fui sozinho e depois a minha mulher (então namorada) mudou-se para Paris, felizmente.

A carregar player...

Não fosse a experiência da Buzzman hoje existiria Johannes Leonardo?

Não sei. Apenas sei que a experiência na Buzzman foi fundamental para o meu crescimento e para conseguir os prémios e visibilidade que procurava. Foi uma agência onde aprendi muito, com pessoas muito talentosas, apaixonadas pelo que fazem e que, acima de tudo, não têm medo de arriscar.

Estou na publicidade há nove anos. A experiência da publicidade no exterior é muito enriquecedora. Aprendi muito com gente muito talentosa. Não mais talentosa do que as pessoas com quem tive o prazer de trabalhar e aprender em Portugal mas com culturas de trabalho diferentes, das quais procurei absorver tudo o que têm de positivo e esquecer o que têm de negativo.

Como é ser um criativo português em Nova Iorque? Ou isto da criatividade é uma aldeia global e já não há choques culturais.

Não foi um grande choque. Tenho amigos que já cá trabalham há algum tempo por isso vim pré-avisado da intensidade do trabalho cá. Não há sábados e domingos em Nova Iorque, há sétimas-feiras e oitavas-feiras. Durante os primeiros três meses [está na agência desde janeiro] não tive nenhum domingo livre. Agora é 50/50. Aqui não me parece que olhem a nacionalidades, ao contrário de outros países. Ser um criativo português nos EUA é o mesmo do que ser de qualquer outra nacionalidade. Pelo menos pelo que vivi até agora. Agora ser um copywriter português nos EUA já é outro assunto. É mais difícil. Tem que se trabalhar mais, ler mais, escrever mais.

Leia ainda: Criativos no mundo. A crise que abriu geografias

Qual dirias que foi o ‘teu’ momento ?

A campanha da Milka. Foi um ano e meio de incertezas, luta e muito trabalho que compensou. Quando tens consumidores a ligar para o serviço de apoio a clientes (usado 99,9% das vezes para queixas) a dar o parabéns à Milka pela campanha, a gratificação é enorme.

O regresso é uma possibilidade?

Quero muito regressar um dia mas não sei quando. Ambiciono fazer a minha parte para ajudar a colocar a criatividade portuguesa no mapa mundo. Os melhor criativos com quem alguma vez me cruzei são portugueses e a maior parte deles trabalham em Portugal. Não nos falta talento para sermos um país muito forte no panorama internacional da publicidade e gostava muito de poder ajudar a tornar isso uma realidade, a partir de Portugal.

(notícia atualizada às 20h26 com correção ao número de Leões)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Criativos no mundo. “Ser copywriter português nos EUA é mais difícil. Tem que se trabalhar, ler e escrever mais”