Dona do Tide prepara-se para acabar com até 100 marcas

Tide é uma das marcas P&G vendidas em Portugal
Tide é uma das marcas P&G vendidas em Portugal

A Procter & Gamble (P&G) prepara-se para acabar com até 100 marcas nos próximos dois anos, com vista a concentrar as operações e aumentar o desempenho financeiro da empresa.

“Há muitas evidências em uma série de categorias dos nossos negócios de que o consumidor realmente não quer mais variedade e possibilidades de escolha… O consumidor quer manter a sua vida simples e conveniente”, disse Alan G. Lafley, CEO da Procter & Gamble.

Para isso, no espaço de 12 a 24 meses a empresa vai encolher o seu portefólio de marcas. O CEO não revelou quais as marcas que vão ser reduzidas, mas estas representam cerca de um décimo das receitas da multinacional. O objetivo é focar nas 70 a 80 marcas em que a P&G é líder de mercado. Entre as que serão mantidas estão as 23 que representam entre 1 a 10 mil milhões de dólares de vendas globais, entre as quais a Head & Shoulders, as fraldas Pampes ou o detergente Tide.

“Vamos criar uma companhia mais lucrativa e de crescimento mais rápido, que será mais simples de ser administrada e operada. Isso proporcionará maior agilidade e capacidade de resposta à P&G”, disse.

A P&G apresentou um aumento de 38% nos lucros no quarto trimestre fiscal, encerrado em junho, para 2,6 mil milhões de dólares, em parte resultante de um corte de custos.

A P&G segue assim o movimento de redução de marcas já levado a cabo pela Unilever. A companhia dona do Dove tem como objetivo reduzir de 1,600 para 400 o número de marcas na sua oferta no âmbito do programa Patch to Growth. Em dezembro passado anunciou que em 2014 pretendia reduzir o seu portefólio entre 10 a 20%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa,19/06/2015- Daniel Traça , Diretor da Faculdade e Professor de Economia, na Nova Business School, Campus de Campolide.
(Paulo Spranger/ Global Imagens)

“Parte da contribuição para a S.S. devia poder ser usada para formação”

( Gustavo Bom / Global Imagens )

Venderam-se mais 79 casas por dia até junho, 7 novas

Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Patrões dizem não a subida do salário mínimo que vá além dos 600 euros

Outros conteúdos GMG
Dona do Tide prepara-se para acabar com até 100 marcas