É preciso um paulistano (em Portugal) para saber o que São Paulo São

ng3121054

É preciso um paulistano, para reconhecer a sua cidade. Mesmo que esteja a viver há mais de duas décadas em Portugal.

A cidade brasileira é mais do que a soma das suas partes. Mais do que a sua arquitetura, comércio, desporto ou cultura. Uma cidade é o que as pessoas fazem dela. Ou seja, mais do São Paulo É, uma marca que represente a cidade só pode ser São Paulo São.

Leia também: Mário Mandacaru lança A Equipa

Foi esta a marca criada pela agência A Equipa, do paulistano Mário Mandacaru (em Portugal há mais de duas décadas) e da portuguesa Cristina Pereira Gonçalves, para a plataforma de dinamização cultural idealizada e gerida por Maurício Machado/MM SAO para a
prefeitura daquela cidade.

“Estruturámos a proposta, idealizada
pelo nosso parceiro local Maurício Machado que identificou a oportunidade. Trabalhámos com a Contenidos na estratégia, criámos o nome e a identidade
visual. A seguir propusemos à prefeitura, que apoiou a iniciativa”, adianta Mário Mandacaru, em declarações ao Dinheiro Vivo.

O projeto teve início em meados do ano passado e nele estiveram envolvidos o brand designer Paulo Proença, na criação do logótipo e do seu universo de comunicação, e da Bliss Applications/da Wy Group, no desenvolvimento
das aplicações on line
da marca São Paulo São.

“O clique criativo é o resultado de
um profundo processo de análise, muito trabalho e envolvimento. Depois de
avaliar toda a envolvente do projecto, considerando os seus objectivos
e ambição, o nome São Paulo São pareceu o mais pertinente. parece que já
estava lá à espera”, continua Mário Mandacaru. “É óbvio que tive ainda mais prazer pelo facto de ser
natural daquela cidade”, sintetiza.

O projeto para a prefeitura de São Paulo, que assinala este ano o seu 460º aniversário, “representa uma base para o
início oficial de operações d”A Equipa no mercado brasileiro”, diz Mandacaru.

O designer lançou em abril a agência A Equipa com Cristina Pereira Gonçalves. “O balanço não podia ser mais positivo,
o nosso modelo de funcionamento em rede, criando as equipas em função dos
projectos, tem se mostrado tão pertinente quanto produtivo”, diz Mandacaru. “Já trabalhámos
directamente com mais de 30 profissionais, sempre os mais adequados a cada
desafio, o que faz com que tenhamos uma excelente capacidade de resposta”, garante.

Navigator e Discovery, ETIC, Espírito Santo
Wealth Management, Grupo Nors, Biosafe, Grupo Madre, Oni e
São Paulo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens)

Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva (C), ladeado por Ana Teresa Lehmann, secretária de Estado da Indústria (D), e Miguel Cabrita (E), secretário de Estado do Emprego, fala aos jornalistas no final da reunião com administração e Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa para discutirem um modelo de trabalho para o próximo ano, no Ministério do Trabalho e da Segurança Social, em Lisboa, 15 de dezembro ded 2017.  Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autoeuropa. Governo dá luz verde a creches para destravar diálogo

Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Fitch dá maior subida de rating de sempre a Portugal e coloca país no grupo da Itália

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
É preciso um paulistano (em Portugal) para saber o que São Paulo São