É verdade. Esta coleira vai traduzir os latidos dos cães para linguagem humana

ng3102887

Mais ficção científica que isto é difícil: uma equipa de empreendedores suecos desenvolveu um protótipo capaz de entender o que um cão quer dizer quando ladra e traduzi-lo para linguagem humana. Chama-se “No more woof” e lançou ontem uma campanha na plataforma de crowdfunding Indiegogo para angariar 10 mil dólares.

“O No More Woof é um pequeno gadget que utiliza a mais recente tecnologia em micro computação e EEG [eletroencefalograma] para analisar os padrões de pensamento animal e traduzi-los em linguagem humana, usando um altifalante”, explica a equipa por detrás do projeto.

“Entre os padrões encontrámos ‘Estou cansado’, ‘Tenho fome’ e intensa actividade cerebral quando um cão vê uma cara nova: ‘Quem ÉS tu?'”, adiantam os suecos.

Veja aqui o projeto na Indiegogo

A tecnologia usada no projeto resulta da combinação de três áreas diferentes: sensores EEG, micro-computação e software BCI (Brain Computer Interface). Este aparelho só é possível devido aos grandes avanços que aconteceram na última década e permitiram fazer “mapas” do cérebro e das suas funções.

Outro padrão muito frequente, segundo a pesquisa da equipa sueca, é “Quero fazer chichi.” Mas os investigadores alertam: embora as ondas cerebrais do cão apontem para determinada direção, como ‘tenho fome’, isto não quer dizer que o animal pensa que tem fome. “É mais um estado mental que um pensamento, embora a diferença entre estas duas coisas seja uma questão filosófica interessante.”

O No More Woof tem 59 dias para chegar aos 10 mil dólares. No primeiro dia, já angariou 1105 dólares, oferecendo três maneiras de participar no projeto: 65, 300 ou 1200 dólares. A equipa espera poder lançar o produto “dentro de alguns anos”, visto que ainda é um protótipo em estado incipiente e precisa de financiamento para ser completamente desenvolvido.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

É verdade. Esta coleira vai traduzir os latidos dos cães para linguagem humana