Dia da Internet Mais Segura

Facebook dá dicas para estar online em segurança

Facebook
Fotografia: Direitos Reservados

No Dia da Internet Segura, a rede social partilha conselhos para os pais protegerem os mais novos.

Fotografias, informações pessoais, grupos, interesses… diariamente é partilhado na internet todo o tipo de informação, sobretudo pelos mais jovens. E nem sempre os pais conseguem alertar os filhos para os riscos de partilharem demasiado ou para como devem reagir perante determinados conteúdos. O seu filho sabe como pode fazer uma denúncia? Sabe bloquear alguém? E que pode sempre procurar um adulto em quem confie se vir algo que o deixa desconfortável e não souber o que fazer?

Porque hoje é o Dia da Internet mais Segura, o Facebook, que no ano passado lançou o GeraZão – um programa educativo de boas práticas online desenhado especificamente para os jovens portugueses – decidiu ajudar com 10 dicas para melhor utilizar a rede social e passar a mensagem aos mais novos, de modo que estejamos todos em maior segurança online.

1. Inicie uma conversa com seu filho o mais cedo possível e antes de ele estar inscrito numa rede social. Os estudos demonstram que as crianças até aos seis anos têm acesso a smartphones ou tablets. Comece a conversar com os seus filhos sobre tecnologia antes de eles chegarem aos 13 anos, a idade que é permitido criar um perfil numa rede social. Se o seu filho já está no Facebook ou Instagram, considere adicioná-lo como amigo.

2. Esteja atento às restrições de idade. O Facebook e o Instagram não permitem que alguém com menos de 13 anos possa criar uma conta (em alguns países o limite de idade pode ser mais alto, dependendo da legislação local).

3. Deixe bem claro que as regras que se aplicam online são as que se aplicam offline. Da mesma forma que explica ao seu filho que deve olhar para os dois lados antes de atravessar a rua, ou usar capacete quando anda de bicicleta, ensine-o a refletir antes de partilhar online e aceitar um pedido de amizade de um estranho.

4. Peça ao seu filho para o ensinar. Não está nas redes sociais? Ou está interessado em experimentar um serviço de streaming de música? Se houver um serviço que seu filho adolescente costuma usar e não faz ideia de como funciona, o Facebook sugere que peça ao seu próprio filho que sirva de professor. A conversa também pode servir como uma oportunidade para falar sobre questões de segurança, privacidade e proteção.

5. Identifique e aproveite os primeiros momentos. Por exemplo, quando o seu filho recebe o seu primeiro telemóvel, é um excelente momento para definir as regras básicas. Quando ele tiver idade suficiente para aderir ao Facebook, Instagram e outras redes sociais, será um bom momento para conversar sobre partilhar conteúdo com segurança.

6. Ajude-os a gerir o tempo online. Tente ser um bom modelo. O ditado “faz o que eu digo, não faças o que eu faço” é tão verdadeiro online quanto offline. Defina limites de horário para que o seu filho possa usar as redes sociais ou estar online, e obedeça a estas mesmas regras.

7. Ajude-os a verificar e a configurar as suas definições de privacidade. Quando o seu filho aderir a uma rede social pode usar as ferramentas e as configurações para ajudá-lo a gerir a conta. O Facebook tem definições de privacidade para controlar quem pode ser amigo dele, quem pode ver as publicações e se querem partilhar detalhes como a localização. O Instagram oferece muitas ferramentas flexíveis para manter os adolescentes seguros online, incluindo filtragem de bullying e textos de alerta. Os adolescentes também podem restringir interações indesejadas nos seus perfis e facilmente denunciar contas, comentários e publicações de bullying.

8. Diga-lhes para o informarem se virem algo que os preocupa. Tal como na vida real, nas redes sociais devemos tratar as pessoas com empatia e respeito. Por esse motivo, o Facebook desenvolveu um conjunto de políticas (Padrões da Comunidade) que definem o que é e o que não é bom partilhar nas plataformas. Existe um link em quase todas as publicações do Facebook e Instagram para denunciar abusos, bullying, assédio e outros problemas. As equipas de todo o mundo do Facebook trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana, para rever os itens denunciados e remover qualquer coisa que viole os Padrões da Comunidade. O objetivo é rever a maioria dos relatórios em 24 horas.

9. Faça disso uma experiência partilhada. Um exemplo da experiência partilhada é usar um filme ou uma foto e divertir-se a editar com seu filho. Pode adicionar filtros e outros recursos de realidade aumentada. Pode perguntar-lhes qual é a coisa favorita deles online – talvez seja um jogo, conversar com os amigos ou partilhar fotos. Também pode falar sobre o que gosta de fazer online e, dessa forma, estão a partilhar tecnologia juntos – um excelente começo de conversa.

10. Confie em si mesmo. Normalmente, com os filhos, pode adaptar o mesmo discurso que usa nas atividades offline para as atividades online. Se achar que o seu filho adolescente responde melhor a um acordo, o Facebook sugere que crie um contrato que os dois possam assinar. Ou talvez ele só precise de conhecer as regras básicas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Facebook dá dicas para estar online em segurança