realidade virtual

Facebook lança óculos de realidade virtual a 199 dólares

Hugo Barra, novo vice presidente de VR no Facebook, explica os contornos do Oculus Go
Hugo Barra, novo vice presidente de VR no Facebook, explica os contornos do Oculus Go

Oculus Go é o novo produto da empresa de Mark Zuckerberg, que não necessita de smartphone ou computador

O Facebook acaba de lançar uma pedrada no charco da realidade virtual, ao anunciar o lançamento de um novo produto independente de smartphones e computadores, Oculus Go. Estes óculos de realidade virtual vão custar 199 dólares e estarão à venda já no início de 2018, revelou o CEO Mark Zuckerberg durante o evento Oculus Connect 4, em São José.

“Vamos estabelecer um objetivo”, disse Zuckerberg, explicando o racional por detrás deste lançamento. “Queremos pôr mil milhões de pessoas a usarem realidade virtual.” Para isso, é preciso criar um ambiente seguro, garantir que a realidade virtual é uma “força para o bem no mundo” e está acessível a toda a gente, explicou.

O Oculus Go pretende fazer isso tudo, ocupando um espaço que hoje praticamente não existe no mercado – há o Gear VR da Samsung e outros óculos baratos, mas que precisam de smartphone e não seguem a posição do utilizador, e há equipamentos como o Oculus Rift e o HTC Vive que são topo de gama mas caros e agarrados ao computador. O Oculus Go insere-se no meio: é o primeiro produto que oferece “alta qualidade a preço acessível que não prende o utilizador ao PC”, disse Zuckerberg.

O produto traz toda a capacidade de computação integrada, não necessitando de se ligar a outros dispositivos. Hugo Barra, o novo vice presidente de realidade virtual do Facebook (que veio da Xiaomi) avançou que o Go é leve e feito com material que se ajusta melhor à cabeça, “desaparecendo” quando se entra no mundo VR. As lentes são a próxima geração daquelas que o Facebook usa no Oculus Rift, o produto premium, com design óptico que reduz reflexos e expande a visualização. O LCD Fast-switch é otimizado para realidade virtual, com resolução 2560 por 1440, e o som é espacial, sendo que o utilizador pode usar o dispositivo sem auscultadores se quiser.

Os programadores vão receber os primeiros Oculus Go – kit de desenvolvimento já em novembro, antes do lançamento para o público em geral. Um pormenor importante que Barra anunciou é que todas as aplicações desenvolvidas para o Gear VR da Samsung, que é criado em parceria com o Facebook, serão compatíveis com o Oculus Go.

O que isto significa para o Gear VR é uma incógnita. O produto é bastante popular pelo preço reduzido (ronda os 100 euros), mas precisa de um smartphone topo de gama da marca. O que o Oculus Go promete é uma experiência de realidade virtual mais imersiva e totalmente independente.

Por outro lado, este anúncio é uma má notícia para a Google, que em maio apresentou um projeto em tudo semelhante: óculos de realidade virtual “standalone”, baseados na plataforma Daydream e fabricados pelas parceiras HTC e Lenovo. O lançamento comercial foi prometido para o último trimestre de 2017 e, segundo explicou ao Dinheiro Vivo o responsável da Google Clay Bavor num encontro à margem do I/O, o preço rondará os 500 euros. Isto é substancialmente mais caro que o Oculus Go. Os 199 dólares antes de impostos deverão traduzir-se num preço um pouco acima dos 200 euros para consumidores portugueses, o que é menos de metade da versão Google.

No entanto, os óculos concebidos pela Google detetam e seguem a posição do utilizador, permitindo-lhe mover-se no espaço virtual. No Facebook, essa característica virá com o Project Santa Cruz, uns óculos “standalone” mais poderosos que o Go que tinham sido anunciados no ano passado. A diferença é que o Santa Cruz, usado com os controladores Oculus Touch, traz sensores que permitem captar a posição do utilizador. É a experiência totalmente imersiva do Oculus Rift sem fios nem computadores. Os programadores vão pôr as mãos no Project Santa Cruz no início de 2018.

Hugo Barra anunciou ainda que o bundle Oculus Rift + Oculus Touch passa a ter uma redução de preço permanente: custa agora 399 dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Mário Centeno, ministro das Finanças, com Pierre Moscovici, comissário europeu. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Governo promete a Bruxelas ser bom aluno em 2018

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Mínimo de existência acaba com IRS para 54 mil recibos verdes

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Facebook lança óculos de realidade virtual a 199 dólares