VidCon

Facebook: segredos de um especialista para fintar o algoritmo

O Facebook esteve em força na VidCon 2018/Ana Rita Guerra
O Facebook esteve em força na VidCon 2018/Ana Rita Guerra

Na VidCon 2018, a Jumpwire partilhou alguns dos métodos que usa para aumentar o alcance e envolvimento das marcas no Facebook

Como conseguir maior alcance no Facebook? Que estratégias estão a ser testadas para fazer render o investimento em vídeo na rede social? Foi o que Gavin McGarry, presidente da Jumpwire Media, tentou ensinar à audiência durante a VidCon, maior convenção de vídeo online do mundo. A nona edição do evento, que decorreu em Anaheim, teve em grande foco o investimento do Facebook nas ferramentas para criadores de vídeos e na secção Watch, totalmente dedicada a este meio.

“O Facebook Watch é o novo feed de notícias”, declarou o presidente da consultora, que faz a gestão de redes sociais de marcas como Formula 1, Coca-Cola e Red Bull. “A primeira coisa que é preciso perguntar é: qual é o vosso ecossistema?” Gavin e a sua equipa têm testado vários métodos e os conselhos advêm da experiência com o desempenho de marcas específicas. O responsável não só sublinha que o vídeo é fundamental, mas também que é muito importante fazer vídeo ao vivo – Facebook Live. Sobre a questão da narrativa, no que toca a perceber se os vídeos devem ter um princípio, meio e fim estruturados, Gavin disse que não. “Estamos a descobrir que, em larga escala, o melhor é ir diretos ao castelo.” Isto é, não perder tempo a descrever a beleza do caminho que leva até ao “castelo”, mas ir direto ao assunto.

Eis algumas das estratégias que a Jumpwire usa para aumentar a performance das publicações das marcas com que trabalha:

1. Responder a toda a gente

Gavin aconselha a rever as publicações dos últimos três a seis meses e pôr “gosto” em todos os comentários. “Verá um crescimento impressionante do envolvimento de um dia para o outro”, referiu. Vários criadores que estiveram nas sessões da VidCon disseram o mesmo: responder a todos os comentários é uma estratégia que funciona. Tal como publicar com frequência e ser consistente.

2. Otimizar o backend

“O Facebook é a ferramenta de gestão de comunidade mais sofisticada do mercado”, disse Gavin. As marcas devem utilizar todos os recursos, tais como a eliminação automática (por IA) de comentários com palavras ofensivas. Estas ferramentas poderão aumentar o envolvimento da comunidade com menos publicações necessárias.

3. Colocar legendas nos vídeos

Muita gente vê os vídeos sem som e ter legendas é essencial para isso. As estatísticas indicam que 39% dos consumidores têm maior probabilidade de ver vídeos até ao fim quando os vídeos têm legendas. A exceção está nos vídeos ao vivo, onde a percentagem de utilizadores que liga o som é bastante maior que nos outros casos.

4. Focar nas caras

Uma marca pode ter a tentação de começar um vídeo como logotipos, cenários ou produtos, mas isso é um erro. “Ponha uma cara nos primeiros três segundos do vídeo”, recomendou Gavin. Método comprovado com várias marcas, garantiu.

5. Fazer micro investimentos

O Facebook está constantemente a sugerir às páginas que paguem para dar um impulso a determinada publicação. Gavin revela que um método que tem surtido efeito é o dos micro investimentos: eles impulsionam o post com 5 ou 10 euros, depois focam-se noutros conteúdos e mais tarde voltam àquele post com outro impulso de baixo valor. Segundo o especialista, é mais eficaz que gastar logo 30 ou 50 euros numa mega promoção.

6. Proteger os direitos

O Facebook Rights Manager deteta quando alguém usurpa conteúdos de uma marca, mas é preciso que o perfil esteja verificado com aquele visto azul. É também recomendável carregar os logos oficiais da marca na biblioteca da página, para garantir que o algoritmo privilegia os seus conteúdos.

7. Diversificar as métricas

O envolvimento é mais importante que o número de seguidores, mas Gavin avisa que é preciso ter outros indicadores em consideração. “O envolvimento não leva em conta que há muita gente que espreita sem clicar nos botões. O alcance, as impressões, gostos, comentários e partilhas devem ser monitorizados, claro. “No entanto, aquilo em que nos estamos a focar agora é na emoção”, explicou o especialista. Não é sentimento (positivo ou negativo), mas sim a resposta emocional a determinado conteúdo. Gavin deu o exemplo da Canvs, uma startup que está a usar inteligência artificial para medir esta resposta emocional.

8. Ao vivo e sem rede

Os dados demonstram que os utilizadores gostam de vídeos ao vivo. Apesar de tal poder ser assustador, porque o conteúdo deixa de passar pela aprovação de várias pessoas, os resultados justificam a opção. “Comecei na rádio e na televisão, onde era tudo ao vivo, e agora estamos a regressar a isso”, comentou o responsável. Por causa dos smartphones, o vídeo deve ser vertical, e Gavin não acredita que os vídeos tenham de ser sempre de curta duração. “As pessoas querem excelentes conteúdos feitos para as plataformas adequadas.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Vieira da Silva e Cláudia Joaquim
Fotografia: Leonardo Negr‹ão / Global Imagens

300 mil recibos verdes abrangidos pelas novas regras de desconto

José Filomeno dos Santos fotografado como presidente do Fundo Soberano de Angola. Fotografia: Medium

Filho de José Eduardo dos Santos está em prisão preventiva

Presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis.

(Gonçalo Villaverde / Global Imagens)

Bloco quer ouvir administração da RTP sobre precários

Outros conteúdos GMG
Facebook: segredos de um especialista para fintar o algoritmo