Facestore: a sua loja no Facebook

ng3108302

É uma startup portuguesa que quer ajudar pequenas empresas e empreendedores a abrirem lojas no Facebook. A Facestore lançou uma aplicação que instala a loja e o método de pagamento diretamente na página da rede social, sem necessidades de conhecimentos técnicos.

“Com taxas de desemprego na ordem dos 16% esta é
uma solução para empreendedores, pequenas e médias empresas,
poderem apresentar os seus serviços e produtos ao grande
público com um excelente custo de oportunidade”, explica o CEO da
Facestore, Paulo Barbosa.

Os produtos ficam
disponíveis na própria página do Facebook e todo o processo de
venda, desde a escolha de produtos ao pagamento e
encomenda, é realizado sem sair do Facebook – precisamente o que Mark Zuckerberg quer.

Até dez produtos, o uso da Facestore é gratuito. A partir daí, o plano de 100 produtos custa 4,90 euros por mês, 500 produtos 9,90 euros por mês, 2000 produtos 29,90 euros e 5000 custa 49,90 euros mensais (preços sem IVA). Se contratar um plano anual, acede a vários descontos.

Uma das mais-valias da aplicação é a integração de meios de pagamento – multibanco e transferência bancária, com taxas de transação de 0,90 euros (no plano gratuito só está disponível multibanco). Também estão incluídas as tabelas das principais transportadoras
(CTT, UPS, TNT, DHL) para cálculo de portes no envio das
encomendas.

Neste momento, há quase 4,8 milhões de utilizadores portugueses no Facebook, “como tal é um canal que faz
todo o sentido explorar”, acrescenta Paulo Barbosa.

A ideia que deu origem a esta aplicação era para uma plataforma de comércio eletrónico destinada ao mercado
empresarial. Entretanto, a popularidade do Facebook motivou o repensar da estratégia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Facestore: a sua loja no Facebook