Comissão Europeia

Facestore ganha concurso de empreendedorismo da Comissão Europeia

ng3105836

A plataforma portuguesa de “comércio social” Facestore venceu o prémio Bolsa de Empreendedorismo
2013 da Comissão Europeia. Este serviço permite transformar as páginas do Facebook em lojas online.

A Facestore concorreu com mais 89 projetos, que se candidataram no primeiro semestre do ano passado. Esta plataforma, liderada por Paulo Barbosa, integra sistemas de pagamento online e
disponibiliza um ‘back office’ de gestão de vendas, clientes,
pagamentos, produtos, stocks, encomendas e campanhas de marketing. A tecnologia é 100% portuguesa e pretende começar a operar no Brasil e Espanha como primeiros mercados
internacionais.

Leia mais: Facestore, a sua loja no Facebook

Quanto ao prémio, foi criado pela Representação da Comissão Europeia em Portugal
para distinguir empreendedores com ideais originais de negócio ou de
geração de benefícios sociais e criação de emprego.

Estes foram os projetos distinguidos, além da Facestore:

2.º Prémio: Bioflavors

O nome designa um processo inovador
e patenteado de aromatização de azeites e vinagres. Amplia o número
de aromas passíveis de tratamento, incrementa a intensidade dos
efeitos e o prazo de validade dos produtos.

3:ºs Prémios
ex-aequo: STEP & ALFAMA

Alfama

Oferece a
turistas motivados por temáticas culturais e históricas a
oportunidade de estabelecer um relacionamento ‘umbilical’ com Lisboa e
Portugal. Oferecem-se em provetas embaladas num design criativo
réplicas genéticas de plantas históricas da época dos
descobrimentos, que o turista pode enraizar e criar no seu destino. O
projeto combina as ciências da vida, em particular a biotecnologia,
as indústrias criativas – design e marketing – e o turismo de
alto valor acrescentado.

Step

STEP – Sistema de
Translação e Elevação de Pessoas – é um produto patenteado que
responde aos níveis elevados de segurança para trabalhos em
altura em construção civil. O equipamento permite operar na
manutenção de prédios e fiscalização de pontes, plataformas
elevatórias, silos, chaminés, reabilitação de prédios, torres
eólicas, e outras obras de engenharia. O produto foi testado e
validado em obras de engenharia civil em condições
extremas, incluindo utilização por deficientes físicos, e
encontra-se em fase de comercialização em diversos países.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fernando Ulrich, futuro chairman do BPI, e Pablo Forero, futuro CEO. Foto: Tiago Petinga/EPA

Acionistas do BPI reunidos. Começa hoje a era CaixaBank

Brasil é a 1ª economia da América do Sul

Portugal é a nova Miami para os brasileiros ricos

Fernando Rocha Andrade
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Cobrança coerciva deverá render neste ano 1104 milhões ao fisco

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Facestore ganha concurso de empreendedorismo da Comissão Europeia