Festas no Dragão já valem mais de um milhão de euros (com vídeo)

ng3107998

Encaixado entre pontes e viadutos no coração de uma das área nobres do Porto, as Antas, o Estádio do Dragão, visto de fora, não deixa adivinhar o imenso espaço que reserva no seu interior. Para o futebol, é claro, mas também para os eventos que “a imaginação do cliente quiser”, anuncia Gil Santos, diretor da Porto Comercial, unidade do grupo FC Porto que gere todas as questões comerciais do clube.

Ultrapassadas as voltas e reviravoltas do trânsito numa segunda-feira ao final da manhã, a entrada de portas altas pela bancada Sul do estádio deixa ver um relvado verde-vivo, cheiro a fresco intenso, hidratado por vários aspersores, alguns acidentalmente apontados para as bancadas. As mesmas bancadas azuis que nesse sábado receberam o clássico em que saiu vencedor o clube da casa, frente ao Benfica. Cumprindo-se assim a principal função do espaço para que foi construído: “Permitir que se assista a grandes desafios de futebol, a grandes exibições da nossa equipa”, justifica o responsável do FC Porto.

Amanhã, no último jogo da época, não
será o Estádio do Dragão a servir de palco ao jogo entre o FC
Porto e o Paços de Ferreira – do qual pode sair um campeão azul e
branco. Mas o recinto ainda vai ser muito usado antes da próxima
época. Os jogadores vão de férias mas a relva nem por isso, pois é
hora de começar a preparar tudo para um dos momentos mais aguardados
do ano – o concerto dos Muse, dia 10 de junho.

E desta forma cumpre-se outra das funções do estádio: dar espaço à realização de eventos fora do futebol e daí retirar também receitas. “O estádio do Dragão – no seu miolo e também na parte exterior, quer na parte envolvente quer no relvado – foi pensado para que tivesse essa utilização quotidiana e fosse considerado um centro de congressos. Um espaço multifuncional, onde pudessem ocorrer reuniões empresariais, colóquios, eventos médicos”, explica o responsável por esta área de negócio do clube das Antas.

Só em 2012 foram realizados 210 eventos, o que dá uma ocupação quase diária do Estádio do Dragão, para lá do evento futebol. “Não existe estatística concertada, mas somos um dos espaços onde se realizam mais eventos em Portugal”, reivindica Gil Santos.

Assumindo que a receita é o fator mais importante desta área, o responsável do clube revela que os números são “muito interessantes, porque passam um milhão de euros, [mais 30%, face a 2011]”. E justifica: “completam e ajudam nos custos da gestão da infraestrutura e dá-nos a notoriedade que queremos”.

No dia em que decorreu esta conversa estava nublado, facto que não afetou a vista privilegiada do campo a partir do camarote da Coca-Cola, na bancada Norte. Sobretudo a partir do exterior, na varanda onde vários sofás de tecido castanho-Coca-Cola convidavam a ver a rega do relvado. E a adivinhar como será cheio.

No interior do camarote de paredes brancas e boxes com garrafas de Coca-Cola com rótulo de todas as pessoas que por ali passaram, dois funcionários, munidos de chaves de fendas, trabalhavam afincadamente na preparação das cadeiras que iriam acomodar horas mais tarde os convidados da companhia.

“Trata-se de ativação de marca”, explica Gil Santos, que esclarece que as marcas parceiras têm vários tipos de ativação: “Há as ativações produzidas única e exclusivamente com exposição da marca e as ativações feitas na relação entre os clientes da marca e a emoção que produzimos neste espaço.” Porém, “consideramos que esse tipo de eventos está fora do que colocamos no mercado e queremos que o Dragão seja uma alternativa a outros espaços”, frisa o responsável do FCP.

Nesta alternativa entram também a realização de eventos mais virados para a comunidade, como casamentos, comunhões, batizados, despedidas de solteiro, festas dos #18 anos, mas também corridas de automóveis, festas infantis, parques temáticos, concertos musicais… #”o que a nossa imaginação deixar”, frisa Gil Santos. “Há histórias muito engraçadas, muito representativas da emoção que este espaço traduz”, diz. “Temos um casal que casou cá, batizou cá os filhos e virá cá, provavelmente, fazer a festa de aniversário dos filhos. Comunica connosco todos os anos a dar conta de como estão os miúdos”, relata.

Outra história: “Um dos nossos parceiros, uma marca conhecida, recorreu ao nosso estádio e requisitou dez dias, tempo que levava noutros espaços. Montámos tudo, mas ao fim do terceiro dia vieram dizer-nos que se iam embora. Fiquei preocupado, mas disseram-nos que se iam embora porque tinham resolvido tudo.” Ou seja, explica, “há também reuniões de quadros, de team building, que socorrendo-se da tática, do trabalho coletivo para o sucesso e dentro deste espírito, que é também nosso, as coisas acontecem. Eu diria que o espaço é facilitador”.

E preços? “Num casamento, tudo depende se quer uma boda mais rica, menos rica, se tem mais gente, menos gente, se quer algo de fantástico como fogo de artifício, com helicóptero a entrar pelo estádio, a presença de uma estrela qualquer. É rigorosamente igual a casar noutro sítio, com a vantagem da beleza do local”, defende Gil Santos.

E ter a presença de um jogador ou estrela do clube? “As empresas parceiras do FC Porto, com determinado estatuto na associação connosco – main sponsors e platinum sponsors -, têm determinado tipo de direitos, em que podem solicitar elementos do universo do FC Porto, incluindo jogadores, equipa técnica, um quadro, um ex-jogador, para participar num evento desde que nos diga os objetivos. E se se enquadrar no que somos capazes de transmitir, sim.”

Para eventos de escala média, o FC Porto tem o pavilhão Dragão Caixa, gerido com a mesma lógica e a mesma equipa (até oito pessoas). Aí, fazem-se concertos de menor dimensão como o do Noddy ou Bob o Construtor, reuniões e congressos como o do Taizé, que juntou oito mil participantes numa semana.

E não é obrigatório ser sócio ou adepto do FC Porto. Gil Santos confirma: “Não. Até porque muitos dos eventos que se fazem aqui são de entidades que não têm sequer as sedes no Norte ou no Porto.” Mas uma coisa é certa, depois da visita ao estádio até dá vontade de ser…

Mais números.

Construído para
o Euro 2004, o Estádio do Dragão alberga até 50 399 espectadores. Além do futebol, foi palco de 210 eventos dos mais variados géneros
(2011/2012), mais 9% face ao ano anterior. Participaram mais de
123 mil pessoas. Destaque para concerto dos Coldplay, Festival
Panda, Arraial AEFEUP, Xutos & Pontapés, Exposição de Motos,
Stock off Fashion, entre muitos outros.

Ver aqui entrevista de Gil Santos

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”

Outros conteúdos GMG
Festas no Dragão já valem mais de um milhão de euros (com vídeo)