Festivais: No Primavera Sound de Barcelona os bares são todos portugueses

O Primavera de Barcelona fez 15 anos e no Porto vai na quarta edição
O Primavera de Barcelona fez 15 anos e no Porto vai na quarta edição

É o sotaque que os denuncia. No Primavera Sound de Barcelona, quando se pede uma cerveja, um martini, um copo de vinho ou uma simples coca-cola, o gracias que se ouve no final soa a portunhol. Os ingleses, alemães, irlandeses ou italianos, que são a maioria do público do Primavera, não percebem a diferença, mas para os muitos portugueses que também lá vão não há como enganar. Nos 21 bares deste mega festival de Barcelona, os funcionários são todos portugueses e são muitos: 420 este ano.

Bárbara é uma delas. Tem 26 anos, estuda design têxtil e há três anos que trabalha nos bares do festival catalão. Tal como a amiga Catarina, que é educadora de infância, ou como o Gonçalo, a Raquel, o Rui ou a Cláudia.

Todos eles foram contratados pela Eventualidades e Casualidades, uma empresa de Paredes de Coura que nasceu com o festival Paredes de Coura, em 2011, e um ano depois já tinha conseguido a concessão dos bares do Primavera Sound de Barcelona e do Porto, cuja quarta edição termina hoje e onde estão com 120 pessoas em 16 bares.

“No primeiro ano, em Barcelona, fomos com 150 pessoas para operar metade dos bares, mas depois ficámos com tudo”, contou o fundador da empresa, João Viana, que diz que foram escolhidos porque têm uma logística muito bem montada.

“Os funcionários recebem um valor diário durante os três dias de festival e pagamos ainda a deslocação de autocarro ou avião, o alojamento e a alimentação. Até temos cozinheiras”, diz João.

Além disso, têm “uma equipa que faz as contas e a gestão do stock, outra que assegura a distribuição das bebidas pelo bares e uma enorme lista de inscritos”. Neste momento, são já 1300, muito mais que os 300 que tinham há três anos. A média de idades é 25 anos e a maioria são estudantes de Paredes de Coura, Braga, Guimarães, Viana do Castelo e Porto, mas também há advogados ou médicos que tiram uns dias de férias.

“Até temos portugueses que trabalham em Londres ou Paris e tiram férias para vir trabalhar connosco”, diz João.

São todos temporários, acrescenta, “porque depois da inscrição, que fica para sempre, só trabalham quando podem e nos festivais” que são três, mas podem vir a ser mais. “Estamos a apresentar propostas em Espanha”, revela João Viana. Mas, por muito atrativo que seja trabalhar num festival, não é por isso que se inscrevem.

Até porque não podem sair do bar, não podem beber cerveja ou outras bebidas alcóolicas e muito menos pagá-las aos amigos. “O dinheiro que recebemos é uma ajuda, no meu caso para pagar o curso, mas o ambiente é espetacular e conhecemos muitas pessoas. Isto é uma experiência incrível”, contou Bárbara.

Mas também é duro. Trabalham todos os dias, em pé das 15.00 às 07.00 da manhã do dia seguinte e no último dia saem do bar diretamente para um dos cinco autocarros a caminho do Porto. O que vale é que são 14 horas de viagem e dá para dormir.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Festivais: No Primavera Sound de Barcelona os bares são todos portugueses