Festivais: No Primavera Sound de Barcelona os bares são todos portugueses

O Primavera de Barcelona fez 15 anos e no Porto vai na quarta edição
O Primavera de Barcelona fez 15 anos e no Porto vai na quarta edição

É o sotaque que os denuncia. No Primavera Sound de Barcelona, quando se pede uma cerveja, um martini, um copo de vinho ou uma simples coca-cola, o gracias que se ouve no final soa a portunhol. Os ingleses, alemães, irlandeses ou italianos, que são a maioria do público do Primavera, não percebem a diferença, mas para os muitos portugueses que também lá vão não há como enganar. Nos 21 bares deste mega festival de Barcelona, os funcionários são todos portugueses e são muitos: 420 este ano.

Bárbara é uma delas. Tem 26 anos, estuda design têxtil e há três anos que trabalha nos bares do festival catalão. Tal como a amiga Catarina, que é educadora de infância, ou como o Gonçalo, a Raquel, o Rui ou a Cláudia.

Todos eles foram contratados pela Eventualidades e Casualidades, uma empresa de Paredes de Coura que nasceu com o festival Paredes de Coura, em 2011, e um ano depois já tinha conseguido a concessão dos bares do Primavera Sound de Barcelona e do Porto, cuja quarta edição termina hoje e onde estão com 120 pessoas em 16 bares.

“No primeiro ano, em Barcelona, fomos com 150 pessoas para operar metade dos bares, mas depois ficámos com tudo”, contou o fundador da empresa, João Viana, que diz que foram escolhidos porque têm uma logística muito bem montada.

“Os funcionários recebem um valor diário durante os três dias de festival e pagamos ainda a deslocação de autocarro ou avião, o alojamento e a alimentação. Até temos cozinheiras”, diz João.

Além disso, têm “uma equipa que faz as contas e a gestão do stock, outra que assegura a distribuição das bebidas pelo bares e uma enorme lista de inscritos”. Neste momento, são já 1300, muito mais que os 300 que tinham há três anos. A média de idades é 25 anos e a maioria são estudantes de Paredes de Coura, Braga, Guimarães, Viana do Castelo e Porto, mas também há advogados ou médicos que tiram uns dias de férias.

“Até temos portugueses que trabalham em Londres ou Paris e tiram férias para vir trabalhar connosco”, diz João.

São todos temporários, acrescenta, “porque depois da inscrição, que fica para sempre, só trabalham quando podem e nos festivais” que são três, mas podem vir a ser mais. “Estamos a apresentar propostas em Espanha”, revela João Viana. Mas, por muito atrativo que seja trabalhar num festival, não é por isso que se inscrevem.

Até porque não podem sair do bar, não podem beber cerveja ou outras bebidas alcóolicas e muito menos pagá-las aos amigos. “O dinheiro que recebemos é uma ajuda, no meu caso para pagar o curso, mas o ambiente é espetacular e conhecemos muitas pessoas. Isto é uma experiência incrível”, contou Bárbara.

Mas também é duro. Trabalham todos os dias, em pé das 15.00 às 07.00 da manhã do dia seguinte e no último dia saem do bar diretamente para um dos cinco autocarros a caminho do Porto. O que vale é que são 14 horas de viagem e dá para dormir.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Exportações, TIC, Taiwan

Portugal exporta mais talento e tecnologia. Taiwan ganha força

Lisboa, 19/7/2019 - Eduardo Marques, Presidente da AEPSA- Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente-  uma associação empresarial, criada em 1994, que representa e defende os interesses coletivos das empresas privadas com intervenção no setor do ambiente,
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Eduardo Marques. “Há um grande espaço para aumentar as tarifas da água”

Jorge Leite. Fotografia: CGTP-IN

Morreu Jorge Leite, o jurista do Trabalho que defrontou a troika

Outros conteúdos GMG
Festivais: No Primavera Sound de Barcelona os bares são todos portugueses