Competição

FPF prevê gastos de 60 milhões de euros em 2017/18

Foto: Álvaro Isidoro / Global Imagens
Foto: Álvaro Isidoro / Global Imagens

A Federação Portuguesa de Futebol aprovou o orçamento e o plano de atividades para 2017/18, que prevê gastos de cerca de 60 milhões de euros

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aprovou hoje por unanimidade o orçamento e o plano de atividades para 2017/18, que prevê gastos de cerca de 60 milhões de euros e um saldo positivo de 68,5 mil euros.

O documento, aprovado em assembleia geral realizada na Cidade do Futebol, em Oeiras, prevê como principal fonte de receita os direitos de transmissão, publicidade e patrocínios, seguidos das receitas dos jogos sociais e das verbas recebidas por participação em competições internacionais, pode ler-se em comunicado publicado na página da FPF na internet.

Em 2017/18, a FPF estima arrecadar quase 24 milhões de euros com “direitos de transmissão, publicidade e patrocínios” e 8,1 milhões na rubrica “subsídios”, entre os quais se incluem as subvenções do Estado e outras entidades, bem como de entidades desportivas (FIFA, UEFA, entre outras).

As seleções nacionais surgem como uma das maiores fatias de investimento para o período — mais de 19 milhões de euros, um terço do orçamentado — com destaque para a seleção AA, que tem deverá custar aos cofres da FPF mais de 10 milhões de euros.

“Neste particular, destaca-se o aumento em mais de 100 por cento dos gastos com a seleção nacional feminina (tendo em conta também a participação na fase final do Campeonato da Europa), o que representa o maior crescimento no universo das 23 equipas nacionais existentes”, pode ler-se.

O documento prevê que os gastos com “serviços de estrutura” — 18,3 milhões de euros – consumam a maior fatia das receitas previstas, com destaque para os gastos com pessoal (6,2 milhões de euros) e “técnicos, médicos e outros prestadores de serviços” (4,9 milhões de euros).

“No que diz respeito a gastos com pessoal — questão levantada durante a discussão deste sábado -, a época passada representou o rácio mais baixo dos últimos anos em relação aos gastos totais: 11% em 2011/2012 e 2012/2013; 10% em 2013/2014; 12% em 2014/2015; e 8% em 2015/2016”, observam.

Na época que marcará a introdução do vídeo-árbitro em todos os jogos da Liga Nos, a arbitragem e os “gastos operacionais com provas” deverão também pesar nas contas da FPF em 2017/2018, com despesas previstas de 6,5 e 5,1 milhões de euros.

“Se a FPF vê a transparência como um fim em si mesmo, a introdução do vídeo-árbitro nas principais competições de futebol nacional será uma das maiores novidades da corrente época. Outros investimentos em melhor arbitragem e melhor disciplina dar-nos-ão a garantia de tudo estarmos a fazer para tornar o futebol mais atrativo e cativante”, refere o presidente da FPF, Fernando Gomes, numa nota introdutória ao documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
FPF prevê gastos de 60 milhões de euros em 2017/18