Turismo

10 cidades subterrâneas que não pode perder

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Algumas são tão misteriosas que ninguém sabe quem as construiu, outras serviram de abrigo em caso de guerra. Cidades subterrâneas a descobrir.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Sobreviver debaixo da terra não é só uma ideia dos tempos da Guerra Fria, quando o perigo de um ataque nuclear incitou governos e particulares a construir bunkers subterrâneos. Há verdadeiras cidades subterrâneas que ainda são utilizadas e outras muito procuradas por turistas. Veja as 10 mais espetaculares a seguir.

1. Minas de Sal de Wieliczka.
Localizadas no sul da Polónia, na área de Cracóvia, são as mais antigas minas de sal do Mundo ainda em funcionamento. Recebe visitas turistícas pelo menos desde o século XVI, quando Nicolau Copérnico passou por lá. Património da Humanidade desde 1978, estas minas incluem espaços para eventos sociais, desde casamentos a provas desportivas, bem como um sanatório para doentes de alergias respiratórias.

2. Derinkuyu, Capadócia (Turquia).
As origens da cidade subterrânea de Derinkuyu, na região da Capadócia, na Turquia, remontarão a milhares de anos antes de Cristo – uns defendem 4.000, outros 9.000 – e o seu abandono só ficou concluído no século VIII. Escavada em rocha vulcânica, em 20 níveis, a cidade inclui cisternas para guardar azeite, armazéns, cozinhas, poços de água, locais de culto, estábulos e um sistema de ventilação completo. Poderia albergar 100 mil habitantes e está ligada, por túnel com cerca de 8km, a outra cidade subterrânea, Kaymakli. A região terá 36 cidades subterrâneas.

3. Túneis de Shangai, em Portland (EUA).
Os denominados túneis de Shangai são uma rede de passagens subterrâneas que ligam a zona costeira da cidade do Oregon à antiga zona de Chinatown de Portland, através das caves dos edifícios. Entre 1850 e 1940, foram utilizados no tráfico de pessoas, desde agricultores a trabalhadores civis, que eram raptados e transportados através dos túneis para serem vendidos a capitães de navios que os escravizavam. No auge do tráfico, pelo menos 1500 pessoas por ano eram levadas através dos túneis. Durante a Lei Seca, foram ainda utilizados para armazenamento de bebidas proibidas. Hoje, são local de excursão turística.

4. Cavernas de Edimburgo, Reino Unido.
Não são cavernas naturais, mas antes “cofres” ou câmaras construídas pelo Homem no final do século 18. Durante três décadas, as cavernas de Edimburgo, situadas na Escócia, foram utilizadas como locais de armazenamento de material proibido, incluindo corpos mortos por assassinos em série que eram depois utilizados em experiências médicas. Abandonados no início do século 19 e deteriorados pela humidade e má ventilação, foram redescobertos em 1985 com sinais terem sido habitados. Durante a revolução industrial, os sem-abrigo ocuparam aquelas cavernas. Hoje, apesar dos relatos de atividade paranormal nas cavernas, há espaços onde se realizam casamentos, concertos e outros eventos, além de pubs.

E, se é de fantasmas que gosta, não se esqueça de ver aqui 10 hotéis com fama de serem assombrados (incluindo quatro em Portugal).

5. Dixia Cheng, Pequim (China).
Esta cidade subterrânea de Pequim é também apelidada de Grande Muralha Subterrânea, visto que foi construída com o mesmo fim de defesa em caso de ataque. A diferença é que foi terminada nos anos de 1970. Mas será também grandiosa, pela descrição: contém cerca de 100 portas secretas, escolas, hospitais, dormitórios… Acabou por nunca ser usada e, no ano 2000, foi aberta a turistas. Desde 2008 que tem estado em obras de renovação e encerrada a visitas.

6. RÉSO, Montreal (Canadá).
RÉSO é uma rede complexa de labirintos subterrâneos sob a cidade canadiana de Montreal, construída nos anos de 1960 para ajudar a resolver os problemas de trânsito da Baixa. Com a entrada em funcionamento do metro, em 1966, a rede foi sendo ampliada até aos atuais 32 km de túneis com mais de 120 pontos de acesso no exterior. Lá em baixo, outra cidade prospera, cheia de lojas, restaurantes, hotéis, cinemas, biblioteca e, até, apartamentos.

7. Setenil de las Bodegas (Espanha).
Este pueblo situado no Sul de Espanha não é subterrâneo, mas está construído dentro e debaixo das paredes de um desfiladeiro imenso. O objetivo é claro: protege as casas do calor, no Verão, e do frio, no Inverno. A aldeia é, hoje, um local de peregrinação turística, não só devido à arquitetura impressionante, mas também pelas tapas com chouriço, azeite e vinho Andaluz servidos nos pequenos cafés locais.

8. Pilsen, República Checa.
A cidade subterrânea histórica de Pilsen data do século XIX e inclui um labirinto de 20km de passagens, caves e poços construídos debaixo da cidade de Pilsen, na zona oeste da República Checa. Inicialmente, serviram de esconderijo para comida e barris de cerveja, em tempo de pilhagens, podendo também ser utilizada como via de evacuação em caso de ataque. Hoje há visitas guiadas através dos subterrâneos, terminando no Museu da Cerveja.

9. Tunéis de Moose Jaw (Canadá).
No centro do Canada, a província de Saskatchewan tem histórias de gangsters para contar e os túneis de Moose Jaw são famosos graças a um dos mais conhecidos bandidos da História: Al Capone. Construída por volta de 1908, a rede de túneis liga os edifícios da Baixa da pequena cidade rural. Foi utilizada por trabalhadores chineses que trabalhavam na construção dos caminhos de ferro para escaparem à extraditação ou ao pagamento de impostos. Na década de 1920, durante a Lei Seca nos EUA, foram utilizados para o armazenamento de rum que depois seguia em comboio para o país vizinho, bem como para jogo ilegal e prostituição. O famoso Al Capone visitou Moose Jaw várias vezes e a figura é hoje aproveitada nas visitas turísticas aos túneis, que abriram no ano 2000.

10. Burlington Bunker, Reino Unido
Também conhecido como sede de guerra do governo central, Burlington Bunker é um complexo de 97 hectares construído a 37 metros de profundidade nos arredores de Londres. Datado dos anos 50, ficou concluído em 1961 e ainda foi utilizado durante 30 anos. Com um quilómetro de comprimento e 200 metros de largura, tinha capacidade para 4000 membros do governo e funcionários públicos, incluindo agências de segurança e pessoal doméstico. Inclui enfermaria, duas grandes cozinhas e uma padaria, lavandaria, arrumos, escritórios, dormitórios, oficinas e locais de carregamento para os veículos elétricos do bunker. Só em 2004 foi desativado enquanto bunker, pelo que pode agora ser visitado por turistas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
10 cidades subterrâneas que não pode perder