Campanha

‘Feeling sexy’? Calçado quer atrair jovens à indústria

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Fileira criou nove mil emprego desde 2010, mas continua a precisar de trabalhadores qualificados: quatro a cinco mil, estima-se

Luís Onofre prometeu e cumpriu. A nova campanha de angariação de jovens para a indústria do calçado está em marcha. Nos outdoors, a atriz Vitória Guerra e o manequim Jules Raynal desafiam os jovens a serem os próximos rostos da mudança de um setor que, apesar e ter criado nove mil empregos desde 2010, continua a ter falta de trabalhadores qualificados. A associação do calçado estima que, nos próximos dois a três anos, a fileira precise, ainda, de mais quatro a cinco mil profissionais.

Feeling Sexy foi o slogan escolhidos para os outdoors que estarão espalhados pelos principais polos produtivos da fileira do calçado em Portugal, de Guimarães a Felgueiras, passando por Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Oliveira de Azeméis, entre outros. O slogan é acompanhado do desafio: “Vem pertencer à indústria mais sexy da Europa”.

“Esta é a grande prioridade da indústria para os próximos anos, que precisa de se rejuvenescer. À medida que o setor vai ascendendo na cadeia de valor e migrando para segmentos de maior valor acrescentado, naturalmente precisamos de um nova geração de talentos e precisamos de um conjunto de novas competências”, explicou, ao Dinheiro Vivo, o diretor de comunicação da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS). Paulo Gonçalves dá exemplos: “As empresas hoje respondem mais rápido e a pequenas séries, o que equivale por dizer que ao nível da informática e da logística precisa de profissionais altamente qualificados. Tal como, à medida que o setor vai apostando crescentemente em marcas próprias e no desenvolvimento e coleções inovadoras precisa de profissionais nas áreas do design, na área comercial ou do marketing. Ou seja, precisamos de um conjunto de competências alargadas para um indústria que se renovou, que é tecnicamente mais evoluída, e que precisa de profissionais competentes para que as empresas possam continuar a crescer e a desenvolve-se”.

A iniciativa, apoiada pelo Programa Norte 2020, e que se traduzirá em ações de rua, nas escolas e nas redes sociais, nas próximas semanas, é uma das primeiras medidas do novo presidente da APICCAPS, Luís Onofre. Reforçar as competências técnicas do setor é uma das suas grandes prioridades para o próximo triénio, pretendendo incentivar a formação e a incorporação de competências de alto valor acrescentado (design, moda, marketing, novas tecnologias, entre outras), ao mesmo tempo que irá promover um programa de estágios internacionais e lançar um programa de empreendedorismo. Onofre quer, ainda, promover uma reformulação inteligente dos programas de formação.

O elevado grau de empregabilidade dos cursos da Academia de Design e Calçado, com instalações em São João da Madeira e em Felgueiras, é um fator acrescido de atratividade da indústria, sendo que os alunos têm acesso a apoios financeiros para transporte e alimentação e, em muitos casos, a uma bolsa de estudo. Os estágios em empresas do setor fazem parte do programa educativo.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

‘Feeling sexy’? Calçado quer atrair jovens à indústria