Tecnologia

João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Aos 30 anos, português João Lousada mantém vivo o sonho de ir Marte e soma triunfos: vai voltar a ser astronauta análogo (na Terra) e é agora director de voo da Estação Espacial Internacional.

Depois de dois meses de treino intensivo e testes que o levaram ao limite, o lisboeta João Lousada é o novo director de voo do módulo e laboratório científico da Estação Espacial Internacional (EEI), o Columbus. É a primeira vez que um português tem uma função com tamanha responsabilidade na estação e, embora ainda não lhe permita cumprir o sonho de ser astronauta no espaço, aos 30 anos, está mais perto do que nunca.

Foi o céu estrelado da aldeia dos avós, Bouçã (junto ao rio Zêzere), que despoletou o interesse de João Lousada pelo espaço. Após os estudos de engenharia espacial entre Portugal, Espanha e Canadá, um estágio na agência espacial alemã deu-lhe o primeiro ‘sabor’ do espaço. Desde 2016 que está no Grupo GMV, onde se coordena operações europeias da Estação Espacial, perto de Munique. Tem sido controlador, mas agora o calmo e ponderado João viu ser reconhecido o seu esforço.

Leia também | Português coordena parte da primeira caminhada espacial 100% feminina

“Primeiro tive de mostrar interesse na função, depois de mostrar capacidade em liderar a equipa e um conhecimento completo de todos os sistemas da estação, bem como dos factores que podem perturbar o sistema”, explica o engenheiro aeroespacial. Seguiram-se dois meses “de treino intenso, exames vários e muitas simulações (inclusive da NASA)”, numa delas teve de lidar “com o pior dia possível para a EEI, onde tudo corre mal e o stress é enorme”. “Temos de lidar com o impacto de um meteorito ou de um fogo a bordo, onde perdemos o controlo”.

ISS Columbus

Já estava habituado, como controlador, a dar instruções diárias aos astronautas da EEI, mas agora está “na posição que coordena tudo”: “sou o principal responsável pela segurança deles”. A adaptação ao cargo, que começou há umas semanas, está a ser boa, mas sente que ainda está a aprender.

“Os astronautas na EEI são as nossas mãos no espaço, temos de planear experiências, operações e escolher o horário que eles vão utilizar por lá”. O diretor de voo da Columbus explica que enviar astronautas para o espaço é difícil, por isso é preciso optimizar o trabalho, daí que façam testes no centro de Munique, para que quando são feitas no espaço corram bem à primeira.

Há ainda o lado humano: “eles têm de confiar em nós, porque temos uma visão mais clara dos sistemas no centro, através de sensores e correntes elétricas, mas para outras coisas precisamos do feedback deles”. A confiança têm de ser total, daí que seja normal as piadas enquanto comunicam no dia a dia ao longo dos turnos de 8h a 9h – o centro trabalha 24h por dia e existem responsáveis para cada um dos três turnos diários, já que a vida no espaço não pára. Curiosamente, “os astronautas não são o tipo de pessoas que se queixam das limitações do espaço”.

O módulo científico acaba por ter grande importância como laboratório espacial, onde se faz ciência dos materiais. “Aprendemos o fundamental da física, da química. Além da componente da falta de gravidade há muito que podemos aprender e só podemos testar ali”. Uma dessa coisas é a forma como o corpo humano reage, já que fica com menos massa óssea e massa muscular e tem de lidar com radiação, “aprende-se como podemos atuar”. Muitas das experiências feitas “acabam por ter aplicações nas áreas médicas na Terra”.

AnalogAstronautsonEVA6©OeWF_Voggeneder

Astronauta análogo: como se estivesse em Marte

Entretanto, João Lousada ficou a saber a semana passada que vai voltar a ser astronauta análogo (de testes em Terra) em 2020, desta vez em nova missão para simular Marte, que se vai realizar em Israel. O português assumiu essa posição pelo Fórum Espacial Austríaco onde esteve o ano passado nos glaciares austríacos e, já no verão, no deserto de Omã, na Península Arábica.

Depois de passar por cerca de 600 testes individuais e mais de 100 candidatos, foi um dos cinco eleitos (serão seis em Israel) para as missões onde passa cerca de um mês com fato de astronauta a simular missões em Marte em ambientes semelhantes. “Testamos coisas muito diferentes em cada missão e os dados que recolhemos sobre o desgaste dos equipamentos ou a melhor forma de fazer testes são depois disponibilizados com a comunidade”.

Tem aprendido muito sobre ser astronauta. “Continua a ser o meu sonho, espero que haja nova chamada a nível europeu em breve, até porque não houve mais nenhuma desde 2008”. A vida na Alemanha, em conjunto com a mulher, é “pacata e simpática” e o casal adora estar perto dos Alpes, já que costumam fazer atividades ao ar livre, “como escalada e outros desportos de inverno”. Apesar disso, o próximo destino desejado é mesmo Marte, que estima que comece a ser uma realidade para a humanidade lá para 2030.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
João Lousada. Conheça o primeiro português a liderar a Estação Espacial