4.ª Revolução Industrial

Martin Ford. “Se um dia a maioria não tiver emprego, poderá ser uma coisa boa”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

É a 4.ª Revolução Industrial e as máquinas estão a ficar com os nossos empregos. Devemos travar o futuro? Ford acha que não

O título do livro de Martin Ford, empresário de Sillicon Valley, induziu-nos em erro. “Robôs – A ameaça de um futuro sem emprego” fez-nos crer que o engenheiro norte-americano seria amigo das teorias da conspiração e previa um apocalipse, ao estilo de “Exterminador Implacável”, em que as máquinas não só roubavam todos os empregos dos humanos como ainda os escravizavam.

Não podíamos estar mais longe da verdade. Ao longo da conversa, por email, Martin Ford diz-nos por diversas vezes que a humanidade é capaz de se adaptar a esta nova realidade se assim o quiser fazer. Acredita que não vale a pena travarmos o avanço da tecnologia nem tão pouco salvar os empregos que em breve serão das máquinas.

O que é preciso é encontrar formas de adaptar a nossa economia e sistema social a este mundo novo. Até porque, argumenta, a tecnologia sempre nos tornou melhor.

Para os humanos, prevê um futuro sem postos de trabalho, com vidas dedicadas a atividades artísticas e académicas. E para que a economia não colapse, defende a ideia de um rendimento básico incondicional – dinheiro que o Estado colocará nas mãos dos cidadãos, a troco de absolutamente nada. Afinal de contas, vai ser preciso que alguém continue a consumir e a comprar os bens produzidos pelas máquinas.

Foto: REUTERS/Francois Lenoir

“Acho que se irão perder muitos empregos, especialmente os rotineiros e previsíveis”, diz Martin Ford. Nesta imagem, vê-se Zora, robô humanóide criado para entreter doentes nos hospitais Foto: REUTERS/Francois Lenoir

O Martin foi o primeiro autor a apresentar um argumento sólido de que os avanços na robótica e na inteligência artificial vão tornar a mão-de-obra humana obsoleta. Deseja estar errado?

Bom, não fui o primeiro. Este medo surgiu diversas vezes no passado, até há centenas de anos. No entanto, há boas razões para acreditar que a tecnologia que existe hoje pode tornar isso possível. Claro que é um bocado assustador, mas se nos conseguirmos adaptar pode acabar por ser uma coisa boa.

O seu livro é uma espécie de distopia. Parece ficção científica, mas não é. Devemos preparar-nos para os computadores tomarem conta do mundo? Vamos todos perder os nossos empregos?

Acho que se irão perder muitos empregos, especialmente os rotineiros e previsíveis. Para já, não temos de nos preocupar com a inteligência artificial a tomar conta do mundo, mas um dia – talvez daqui a 30, 50 ou 100 anos – isso pode vir a ser um problema real. Nos próximos 10, 20 anos, muitos empregos desaparecerão. Vamos ter de nos preparar para isto e pensar como iremos adaptar a nossa economia e a nossa sociedade a este novo mundo.

Antigamente, a ideia de um robô a trabalhar numa linha de produção era absurda. E eles estão lá para ficar. Mas agora… Direito, medicina, ciência, pintura, música. A London Symphony Orchestra interpretou uma peça em 2012 composta inteiramente por um programa. (Oiça aqui as músicas criadas pelo computador Iamus) Ninguém escapa?

As máquinas estão a ficar até com os empregos altamente qualificados, e não apenas com os dos funcionários que têm baixa educação. Isto será um grande desafio para nós.

Nos próximos 10, 20 anos, muitos empregos desaparecerão. Vamos ter de nos preparar para isto e pensar como iremos adaptar a nossa economia e a nossa sociedade a este novo mundo.

Em tempos, educação era suficiente para, enquanto trabalhadores, fazermos frente a esta destruição de postos de trabalho. Qual será agora a solução?

Se a educação já não é a solução temos de procurar respostas menos convencionais. Penso que iremos precisar de um rendimento básico incondicional. Claro que isso não quer dizer que a educação vá deixar de ser importante. A educação continuará a ser vital, mas teremos de valorizá-la por ela nos tornar melhores pessoas e melhores cidadãos e não tanto porque é o caminho para um emprego melhor.

Mesmo que façamos tudo bem, que tipo de empregos sobram?

No curto prazo, haverá muitos empregos para as pessoas. Trabalhos que requeiram criatividade genuína ou profundas interações interpessoais. Empregos que exijam muita mobilidade e destreza, por exemplo, trabalhos artesanais como o dos eletricistas e canalizadores continuaram a salvo por algum tempo. E também trabalhos como o de enfermeiro ou médico. Mas os empregos rotineiros sofrerão um impacto muito forte, até mesmo os de colarinho branco que trabalham com informação.

Leia também: A hora dos robots: serão menos cinco milhões de empregos até 2020

Robots in the Kuka stand pour a beer into a glass at the Hannover Messe industrial trade fair in Hanover, Germany April 23, 2016. REUTERS/Nigel Treblin - RTX2BCAX

Vai uma cerveja? O robô da Kuka serve-o já a seguir. A Kuka Indutrial Robots é um dos líderes mundiais na fabricação de robôs industriais e sistemas de automação. Foto: REUTERS/Nigel Treblin

Já não estamos sequer a falar de robots que podemos ver e tocar e bater-lhes se nos roubarem o emprego. Os algoritmos – uma coisa invisível – fazem parte do dia-a-dia. Podemos lutar contra isto?

Não conseguimos lutar e acho que não devemos lutar. A tecnologia sempre nos deixou melhor. Isso continuará a ser verdade mas teremos de adaptar a economia e os sistemas sociais a essa nova realidade.

Um dia, a IBM disse: “Os computadores só podem fazer aquilo para que são programados.” Já não é assim… Os computadores pensam? O Martin chamou-lhe “um processo darwiniano de seleção natural”.

Os computadores agora aprendem sozinhos. Já não precisam de ser programados passo a passo. E esta aprendizagem das máquinas é a tendência mais importante do momento e não acontece apenas porque o software está a ficar melhor. Acontece porque agora há imensos dados que o software inteligente pode processar e, a partir dele, aprender. E isto vai continuar a acelerar.

As máquinas estão a ficar com os empregos qualificados e não só com os dos funcionários com nível de educação baixo”

Eles progrediram para lá do nosso controlo e imaginação?

Houve avanços espetaculares, como sistemas que traduzem línguas ou o Google Deep Mind que é capaz de ganhar um jogo de Go. Iremos ver muitos mais avanços espetaculares nos próximos anos.

Mais assustador: um professor de Stanford identificou dois casos em que algoritmos genéticos criaram e patentearam invenções. Devíamos deixá-los fazer isto? Não há uma linha entre o que é ok e não é ok para um computador fazer?

Isto são ferramentas importantes que trarão muitos avanços em áreas como a medicina e que terão consequências positivas. Não devemos querer travar isto, mesmo que conseguíssemos.

Confiaria no Watson da IBM para lhe fazer um diagnóstico clínico?

Sim. Acho que os computadores de diagnóstico irão certamente produzir melhores resultados do que os médicos humanos em muitos casos. No curto prazo, estas decisões terão sempre de ser validadas por um humano. Mas eventualmente a tecnologia estará tão comprovada que isso deixará de ser necessário.

Se eles podem fazer tudo o que nós podemos (e melhor) deveríamos fugir para Marte? Já agora, Marte é o único planeta completamente habitado por robots e fomos nós que os pusemos lá…

Acho que não podemos fugir. Temos de nos adaptar e prosperar aqui. Se um dia a maioria de nós não precisar de trabalhar, isso poderá ser uma coisa boa. Nós conseguimos adaptar-nos.

Os computadores de diagnóstico irão certamente produzir melhores resultados do que os médicos humanos em muitos casos”

Então… Vamos todos estar desempregados e os robots farão tudo por nós. A economia colapsará?

Ainda vamos precisar de consumidores para comprarem os bens produzidos. Se quisermos que o capitalismo continue, vamos ter de encontrar uma forma de pôr dinheiro nas mãos das pessoas. Se não houver empregos, precisaremos de outro mecanismo como o rendimento básico.

O Martin é defensor desta ideia do rendimento básico e que a Suíça referendou em junho passado. Daniel Häni, um dos promotores do referendo, disse: “Não vai acontecer agora, mas é apenas uma questão de tempo.” Concorda?

Sim. Parece-me inevitável que teremos de explorar esta solução. Claro que politicamente não é fácil, por isso é capaz de demorar algum tempo. A minha esperança é a de que à medida que for ficando mais claro o que está a acontecer será mais fácil e haverá mais apoio da opinião pública para o rendimento básico.

Leia também: Receber dinheiro para estar vivo. É o que a Suíça vota

A sign alerts people to be precautious against roboter arms during the Hannover Fair in Hanover, Germany, April 25, 2016. REUTERS/Wolfgang Rattay - RTX2F5D0

Cuidado com os braços robóticos, dizia um sinal na feira de Hanover. REUTERS/Wolfgang Rattay

E esse rendimento básico não tornará as nossas vidas maçadoras e sem significado?

Já fazemos muita coisa com sentido e para as quais não somos pagos. Passamos tempo com a família, trabalhamos com a comunidade ou como voluntários. Alguns de nós poderão começar pequenos negócios para ganhar dinheiro extra. Ou poderão trabalhar em part-time ou ir para a escola. Não temos de encontrar sentido na vida na mesma fonte de onde vem o nosso rendimento. Podem ser coisas diferentes.

Uma das suas visões de futuro é a de uma plutocracia a viver em cidades de elite, guardadas por robots autónomos militares. Prevê uma revolução da classe trabalhadora?

Esse é o resultado distópico – desigualdade extrema e agitação social. Espero que seja possível evitarmos, mas teremos de esperar para ver…

A Era dos Robos_03

Ficha de Livro | “Robôs – A ameaça de um futuro sem emprego” | Martin Ford | Bertrand Editora

Olhemos para o passado. A agricultura é o exemplo clássico. A mecanização não destruiu a economia. Porque é que agora seria diferente?

Porque agora as máquinas começaram a pensar e a fazer tarefas cognitivas. E agora é mais amplo: a inteligência artificial está a tornar-se uma tecnologia de uso geral que terá impacto em todas as indústrias – não apenas num setor como a agricultura. É, por isso, pouco provável que uma nova indústria surja e crie milhões de novos empregos da maneira que as fábricas surgiram e absorveram as pessoas que perderam os seus empregos na agricultura.

Caixas de pagamento self-service nos hipermercados, touchscreens nos restaurantes para fazer pedidos. A Eatsa em São Francisco dedica-se à automação da produção de hambúrgueres. Carros autónomos que trabalham 24 horas, sete dias por semana. A Foxconn despediu 60 mil pessoas e substituiu-as por robots. Já está a acontecer. Este tipo de emprego vale a pena defender? Por outro lado, os robots já escrevem notícias. Um dia esta entrevista, ou um dos seus livros, pode ser feita por um deles?

Acho que não podemos defender os empregos, temos apenas de nos adaptar ao progresso. Ainda demorará algum tempo até os robots poderem escrever livros ou fazer entrevistas, mas eu nunca diria nunca. De certeza que iremos ver muitas coisas que nos surpreenderão nos próximos anos e décadas.

Leia também: Foxconn despede 60 mil pessoas e troca-as por robôs

 

Ford Martin (Xiaoxiao Zhao) (2) (2)

Foto: Xiaoxiao Zhao

Martin Ford
Formado em engenharia de computação, o empresário norte-americano de Silicon Valley tem mais de 25 anos de experiência em design de computadores e desenvolvimento de software (foi nesta área que fundou a sua empresa). “Robôs – A ameaça de um futuro sem emprego”, o seu mais recente livro editado em Portugal pela Bertrand, ganhou o prémio Financial Times e McKinsey para melhor livro de negócios do ano. Esta é a segunda obra de Martin Ford sobre a potencial destruição de empregos que o aumento da automação trará.

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: Leonel de Castro/Global Imagens

Famílias com 12 meses para pagarem rendas do estado de emergência

(João Silva/ Global Imagens)

Papel higiénico, conservas:em 2 semanas, portugueses gastam 585 milhões no super

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

140 mortos e 6408 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Martin Ford. “Se um dia a maioria não tiver emprego, poderá ser uma coisa boa”