Fotogaleria

Escola do futuro já existe. Saiba onde é

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A escola do futuro já existe e fica em Singapura. As crianças desde o pré escolar aprendem a pensar em termos tecnológicos.

Singapura é um país sem recursos naturais, com cinco milhões de habitantes, e pouco mais de 700 quilómetros quadrados. Cedo perceberam que a matéria-prima mais poderosa que tem são os cidadãos.

Tendo em conta estas bases, o governo decidiu apostar nas gerações mais novas, e tornou-se assim no primeiro país do mundo onde a tecnologia é o princípio e o fim, e desempenha um papel fundamental na educação.

“É a diferença entre um país que consome tecnologia e um país que cria tecnologia”, explicam assim o novo projeto educativo, segundo o qual, todos os alunos desde têm três anos aprendem a fazer circuitos de programação, drones e jogos de vídeo. Isto porque a tecnologia tem um valor vital como estratégico para Singapura, cercada por países que se multiplicaram dezenas de vezes em tamanho.

O projeto, chamado Playmaker começou há dois anos, e já inclui 160 escolas e 10.000 alunos com idades compreendidas entre os três e seis anos, de acordo com dados oficiais. O objetivo é que as crianças começam a desenvolver desde pequenas um pensamento computacional, e assim usam brinquedos robóticos programáveis.

Localizada numa área de habitação social, de paredes altas e coloridas a escola ensina o básico da tecnologia a brincar, aos mais pequenos com o jogo Beebot, uma abelha robótica que provoca muitas gargalhadas na classe.

Os mais velhos com 11 anos são capazes de explicar o funcionamento, do primeiro jogo de computador que criou, e que levou quatro anos a aprender a programar. O jogo, é o Pump, e o objetivo é evitar que a bola toque no chão ao mover uma plataforma.

Nesta classe, neste ano são 340 alunos desta escola pública no país, desenvolveram um projeto de tecnologia este ano. A programação é um tema central na educação.

As crianças de três anos aprendem na pré-escola, como desenvolver o “pensamento computacional”. Aos seis anos, quando atingem escolas primárias, eles estão prontos para começar com o Scratch, uma plataforma desenvolvida pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology) para começar a aprender a programar. Primeiro, a versão júnior e aos 10, a versão adulta.

O resultado é que uma sala de aula da escola primária Fuhua Escola Primária parece com uma espécie de boas-vindas este prestigiado universidade americana. Drones voando, pianos tecnológicos no chão, circuitos com 40 ratos de computador que se movem sozinhos e tudo criado e controlado por crianças de 10 e 12 anos controlado.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(REUTERS/Tyrone Siu/File Photo)

Portugal é campeão na venda de carros elétricos, mas falta rede de carregamento

Huawei | Google | Android

Smartphones Huawei vão ser atualizados, garante a marca

Fotografia: Pedro Rocha/ Global Imagens

Taxa turística já rende 30 milhões às câmaras. É uma subida de 56%

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Escola do futuro já existe. Saiba onde é