Google

Google+, a chantagem não funciona. Que tal suborno?

Não sei quantos anos serão precisos para que a Google perceba que forçar as pessoas a usarem uma rede social não funciona. Estar desesperada para provar que o Google+ é um sucesso não pode justificar tudo, mas parece que o ‘brainstorming’ social na empresa dá origem a soluções cada vez mais bizarras.

Vamos começar pela mais recente: a partir de agora, qualquer utilizador do Google+ poderá enviar um email a qualquer utilizador de Gmail, mesmo que não tenha o seu endereço. É possível bloquear esta nova funcionalidade, mas sejamos honestos: a maioria das pessoas não o vai fazer. Basta olhar para a quantidade de ajustes e definições que o Gmail tem para perder a coragem de mudar alguma coisa.

A Google apresenta a novidade como uma ajuda: “já começou a compôr um email para alguém e de repente percebeu que não tinha o endereço? agora vai poder enviar à mesma.” Se calhar não tinha o endereço por alguma razão, não? O desprezo da Google pela privacidade dos seus utilizadores é desconcertante.

Se isto vai ou não aumentar o apelo do Google+ está para se ver, mas a verdade é que as medidas anteriores – igualmente desconcertantes – não funcionaram como eles queriam. Primeiro, foi a obrigatoriedade de criar um perfil no Google+ para qualquer conta nova. Quer email, leva também rede social. Os números de adesão dispararam, e Eric Schmidt repetiu-os alto e bom som nas apresentações de resultados. Ocultando, é claro, que o tempo médio passado na rede social é baixíssimo – 7 minutos apenas, dados de março de 2013.

Depois, foi a obrigatoriedade de qualquer utilizador de Gmail ter um perfil no Google+, novo ou não, querendo ou não: está lá, lide com isso. Já tinha apagado a minha conta inicial na rede, mas tive de o voltar a fazer porque de vez em quando eram criadas novas contas outra vez. Até que se tornou obrigatório ter um G+ para comentar no YouTube. Venceram-me pelo cansaço. Mas não me convenceram a usar a rede social. Não vale a pena acenarem-me com resultados personalizados no Google Search, nem porem notificações a vermelho na página principal do Gmail.

E aviso já que é estranhíssimo ver nos comentários do YouTube publicações filosóficas, conversas entre amigos e comentários do estilo Facebook – percebe-se logo que aquelas pessoas partilharam vídeos na sua conta do Google+ e nem devem ter percebido que o mesmo foi publicado na secção de comentários do vídeo no YouTube. Pára com isso, Google, é estranho. O G+ trouxe coisas boas ao panorama das redes sociais, mesmo não tendo sido o sucesso que se esperava. O que não se compreende é esta chantagem: se queres usar os nossos serviços, tens de usar a nossa rede social. Os utilizadores não “têm de” nada. Não vão lá com bullying tecnológico.

JornalistaEscreve à terça-feira

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Google+, a chantagem não funciona. Que tal suborno?