Grândola Vila Morena: A história da música que voltou para irritar ministros

ng3104588

Parece que pegou moda interromper discursos de ministros com a entoação de “Grândola Vila Morena”. Pedro Passos Coelho ou mais recentemente Miguel Relvas já foram vítimas desta ação de protesto.Veja aqui o momento em que o primeiro-ministro foi interrompido no Parlamento.A iniciativa é do movimento “Que se lixe a troika” e teve tanto sucesso na semana passada que até em Madrid a música de Zeca Afonso já foi utilizada numa manifestação contra o governo espanhol, nas Puertas del Sol. Mas conhece as suas origens?”Grândola Vila Morena” foi composta por Zeca Afonso como forma de homenagear a Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, fazendo parte do álbum Cantigas do Maio, editado em 1971.A sua fama remonta à revolução de 25 de Abril de 1974 que deitou abaixo o regime do Estado Novo, tendo a canção sido utilizada como senha para assinalar o início da revolução.Na noite de 24 de abril foram designadas pelas tropas do Movimento das Forças Armadas duas senhas para comunicar a revolução. A primeira foi a música “E depois do adeus” de Paulo de Carvalho, que passou às 22h55. A segunda foi “Grândola Vila Morena”, às 00h20, que foi transmitida no programa de rádio “Limite” da Renascença e era o sinal para as tropas que estavam mais afastadas de Lisboa avançarem, pois a revolução estava a ganhar terreno.A canção de Zeca Afonso tinha sido proibida pelo regime salazarista por ser alusiva ao comunismo.Após a revolução, durante o período de consolidação da democracia, o PREC, a música tornou-se um ícone nacional que era cantada em momentos de perigo como forma de alerta contra o fascismo – nomeadamente durante o 28 de setembro e o 11 de março.Este ano a entoação de “Grândola Vila Morena” voltou a ser adoptada como forma de protesto pelo movimento “Que se lixe a troika”, que está a organizar uma manifestação para o próximo dia 2 de março. O objetivo é criticar as políticas do Governo e compará-lo ao regime fascista, relembrando que “o povo é quem mais ordena”.Fica a letra de “Grândola Vila Morena”:Grândola, vila morenaTerra da fraternidadeO povo é quem mais ordenaDentro de ti, ó cidadeDentro de ti, ó cidadeO povo é quem mais ordenaTerra da fraternidadeGrândola, vila morenaEm cada esquina um amigoEm cada rosto igualdadeGrândola, vila morenaTerra da fraternidadeTerra da fraternidadeGrândola, vila morenaEm cada rosto igualdadeO povo é quem mais ordenaÀ sombra duma azinheiraQue já não sabia a idadeJurei ter por companheiraGrândola a tua vontadeGrândola a tua vontadeJurei ter por companheiraÀ sombra duma azinheiraQue já não sabia a idade

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Theresa May, PM britânica, cumprimenta Mark Rutte, PM holandês. Fotografia: REUTERS/Piroschka van de Wouw

Mais de 250 empresas do Reino Unido contactam Holanda por causa do Brexit

REUTERS/Yves Herman

Comissão Europeia: vistos gold falham na verificação de origem de fundos

4. Peças automóveis

É recorde: Peças para carros valem mais de 11 mil milhões de euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Grândola Vila Morena: A história da música que voltou para irritar ministros