Reveillon

Guia para um programa de réveillon low-cost

Avenida dos Aliados enche todos os anos para a festa de Réveillon. Fotografia: Porto.pt
Avenida dos Aliados enche todos os anos para a festa de Réveillon. Fotografia: Porto.pt

Passar o ano sem gastar um tostão? Sugestões low-cost em Lisboa e no Porto que ainda pode tentar

Nem todas as festas de fim-de-ano têm de sair caras. Um pouco por todo o país acontecem festas gratuitas ou de baixo preço que convidam a um pé de dança.

Ainda não sabe o que fazer? Siga o guia:

Praça do Comércio, Lisboa
Já é um clássico. A Câmara de Lisboa organiza uma festa de Réveillon gratuita no Terreiro do Paço, que começa logo às 22h00 e se prolonga noite dentro. A festa começa com Rui Veloso, o champanhe estala ao ritmo do fogo-de-artifício e a festa continua com a música de AGIR.

Os programas não ficam por aqui: no dia 30, sexta-feira, o Terreiro do Paço aquece com Miguel Araújo, às 21h30, e os DJ Wilson Honrado / João Vaz da Rádio Comercial, a partir das 23h15.

No dia 1 podem ouvir-se Raquel Tavares e a Orquestra Roemer Pinatel a partir das 17h30.

Casino de Lisboa
O casino de Lisboa também tem programa gratuito. A festa começa às 22h00 com Supreme Sounk e segue noite fora. Às 23h30 há Stand up Comedy com João Paulo Rodrigues, à meia-noite HMB e às 02h00 André Henriques e Filipe Gonçalves.

Convento do Beato, Lisboa
O Convento do Beato em Lisboa volta a receber uma festa de Réveillon com preços a partir de 30 euros – à medida que os dias se aproximam os valores sobem.

A organização espera casa cheia seguindo os exemplos das quatro edições anteriores que esgotaram.

Os planos ainda não foram totalmente revelados. Sabe-se que haverá músicas dos anos 80, 90 e 2000 e ainda os melhores hits dos últimos tempos. O dress code é formal e elegante.

Palácio Real, Tapada da Ajuda em Lisboa
Elas 40 euros, eles 50 euros. No Palácio Real da Ajuda volta a haver Réveillon e os bilhetes estão quase quase a esgotar. A entrada vem com direito a oito bebidas e pede roupa de Gala. O jantar está incluído.

FIL, Lisboa
A Fil Diverlândia, no Parque das Nações, estará aberta na Passagem de Ano, das 15h00 de dia 31 de Dezembro de 2016 às 02h00 de dia 1 de Janeiro de 2017. Das 23h50 de dia 31 às 00h10 haverá Happy Hour com acesso livre a todos os divertimentos em grande festa, confraternização e diversão.

Coconuts, Cascais
A mítica discoteca de Cascais, que encerrou há quase uma década, volta a abrir portas para a passagem-de-ano. Na festa inspirada nos anos 70 e 80, o ambiente que o espaço viveu por tanto tempo, pagam-se 55 euros por entrada com direito a bebidas e ceia, ou 40 euros para quem não quer cear. Quem quiser participar no jantar de gala – esqueça o low-cost – cobram-se 245 euros.

Avenida dos Aliados, Porto
A Câmara do Porto já fez as contas: esperam-se 100 mil pessoas na Avenida dos Aliados onde vão atuar Blind Zero e Os Azeitonas. Se vai rumar ou está a Norte conte ainda com fogo-de-artifício que, diz a autarquia, este ano reservará “ainda mais surpresas”. A festa é gratuita.

Mosteiro São Bento da Vitória, Porto
Não é só festa, mas quem quer aproveitar o Mosteiro de São Bento da Vitória só para passar a meia-noite pode fazê-lo por 30 euros. A festa já se realiza pelo quinto ano consecutivo e conta com um histórico de casa cheia. Quem vai só para a festa pode começar a entrar às 23h00. A roupa pede-se casual chic, com preferência para trajes compridos. Pode negar-se a entrada “mediante incumprimento desta norma”.

Casa da Música, Porto
Outro histórico. A Casa da Música no Porto oferece uma festa e ceia por 35 euros para adultos e 20 euros para crianças. Também há jantarm mas o preço sobe para 95 euros. Oferece-se um desconto de 10% para reservas de grupos com mais de 12 pessoas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR. Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
Guia para um programa de réveillon low-cost