calculadoras

Guia sobre calculadoras que alunos podem levar para os exames

calculadora contas fisco fiscalista

As calculadores que podem ser usadas durante o ano letivo nem sempre são aceites nos exames nacionais. Fique a par das orientações do Ministério.

Quem tem disciplinas como matemática, física ou química do 10º ano em diante sabe que é impossível frequentar estas aulas sem dispor calculadoras gráficas e científicas, mas quando chega a altura dos exames, nem sempre é possível usá-las.

A Direção-Geral de Educação fez chegar às escolas um oficio onde esclarece o que pode ser usado e em que circunstancias, dando assim resposta à muitas dúvidas que lhe foram chegando. Mas as soluções apresentadas têm gerado críticas entre docentes e alunos que questionam o facto de as calculadoras gráficas serem necessárias (para os pais a compra é praticamente apresentada como sendo obrigatória) nas aulas e para lecionar as matérias em causa e depois proibidas nos exames.

Veja o que diz a circular. Comecemos pela disciplina de física e química A, ministrada aos alunos que escolheram os cursos científico-humanístico de ciências e tecnologias.

Neste caso, aceita-se que as calculadoras gráficas possam ser usadas nas salas de aula, mas quando chegar o momento do exame nacional estas têm de ficar em casa, pois apenas as científicas poderão ser usadas para fazer face à complexidade de cálculos que estas disciplinas exigem.

No que se refere ao exame nacional da disciplina de Física e Química A, a realizar em 2016/2017, ponderadas as vantagens e desvantagens, considera-se que é possível elaborar provas válidas e representativas do currículo da supracitada disciplina sem que se utilizem as calculadoras gráficas. A complexidade de alguns cálculos nesta disciplina torna, no entanto, imprescindível o uso da calculadora científica.

Em relação à matemática A, para os alunos que escolheram os cursos atrás referidos e ainda o de ciências socioeconómicas as diretrizes da tutela reconhece que as calculadoras gráficas podem ser usadas durante as aulas mas desaconselha que se evite a sua utilização nos testes e provas de avaliação em que os conteúdos exigidos não justifiquem o recurso a estas máquinas.

No exame nacional de 2017/2018, que vai ser constituído por dois cadernos (em linha com o que sucede com os exames nacionais do ensino básico), a gráfica é admitida num destes cadernos em função dos exercícios propostos.

De acordo com o programa desta disciplina “considera-se que no Ensino Secundário a tecnologia, e mais especificamente a calculadora gráfica, deve ser utilizada em sala de aula e consequentemente em certos instrumentos de avaliação (na resolução de problemas requerendo cálculos de valores aproximados de soluções de determinado tipo de equações ou de funções envolvendo, por exemplo, razões trigonométricas, logaritmos, ou exponenciais) mas que se deve evitar a sua utilização em outras provas de avaliação em que os conteúdos e capacidades envolvidas claramente o não justifiquem ou mesmo o desaconselhem.”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Guia sobre calculadoras que alunos podem levar para os exames