Tecnologia

Hitachi. Uma voz portuguesa para pedir pizas em Inglaterra

Paulo Valério é o diretor da Hitachi Consulting em Portugal. (Foto: DR)
Paulo Valério é o diretor da Hitachi Consulting em Portugal. (Foto: DR)

Equipa nacional da consultora criou um sistema de encomendas por voz que funciona através da página na Internet ou com assistentes pessoais.

Portugal está a ajudar os britânicos com menos acessibilidades a encomendar uma piza através da Domino’s. A equipa portuguesa da Hitachi Consulting desenvolveu duas soluções em que basta a voz para pedir pizas como a Cura Desgostos ou a Mata-Ressacas através do computador ou dos assistentes por voz. Este é o primeiro projeto desta consultora num mercado que vale 212 mil milhões de libras (235,2 mil milhões de euros) e que pode contribuir para mais inclusão social, sobretudo junto dos idosos.

A encomenda por voz através do computador é o projeto mais recente da parceria entre as duas empresas: “Um consultor lembrou-se de tentar interagir com o site da Domino’s através da voz, de forma a dar uma nova funcionalidade ao portal. A pessoa pode falar com o site e fazer o seu processo de compra. É um assistente por voz incluído no browser”, explica Paulo Valério, diretor da Hitachi Consulting em Portugal.

O processo é simples: a pessoa olha para as pizas, diz ao site qual o produto que escolhe e depois dá os dados para pagar a encomenda. A Hitachi garante que os dados não são retidos e que este sistema apenas transforma a voz em texto.

Esta demonstração foi iniciada em agosto do ano passado e “implicou um esforço extra” da equipa da Hitachi Portugal que trabalha para a Domino’s Pizza. Além da compra pelo portal da empresa, os clientes também podem fazer as encomendas com a solução desenvolvida para as assistentes pessoais Alexa (Amazon) e Google Home. Hitachi Portugal e Domino’s Pizza são empresas parceiras há mais de dois anos e têm 22 pessoas envolvidas nestes projetos.

O trabalho da consultora na área da voz também se estende a outro tipo de empresas, como bancos ou seguradoras. Os assistentes pessoais podem servir para linhas de apoio ao cliente: “Se fizer uma queixa e quiser saber em que estado está, em vez de ligar para um agente posso saber essa informação através de um chat. Atualmente, há bots [sistemas de resposta automática] que funcionam pelo telefone e que nós nem sabemos.

Além desta pizaria, a consultora japonesa em Portugal está a desenvolver projetos com outros clientes para o mercado espanhol. Instalada em Portugal desde 2006, a Hitachi Consulting , considerada uma das dez maiores consultoras do mundo, tem reforçado a aposta em Portugal nos últimos anos. Até final do ano, espera chegar às 200 pessoas, praticamente o dobro da equipa que iniciou 2018; e no ano passado escolheu Lisboa para instalar o centro de video intelligence, que analisa as imagens recolhidas por vários dispositivos e dar suporte a toda a região EMEA (Europa, Médio Oriente e África).

O crescimento da Hitachi em Portugal não vai ficar por aqui e é possível que a consultora abra novos escritórios noutras zonas do país. “Lisboa vai continuar a ser um centro importante para nós, mas na nossa estratégia de crescimento também temos de considerar outros pontos do país. Não só pela capacidade mas pela massa crítica das pessoas. É um projeto a longo prazo”, assegura.

Apenas desta forma a consultora japonesa poderá chegar aos mil trabalhadores em 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Hitachi. Uma voz portuguesa para pedir pizas em Inglaterra