Instrução financeira devia ser obrigatória nas escolas

Os adolescentes portugueses não têm conhecimentos sobre economia nem são capazes de gerir as finanças.

De acordo com o estudo “Literacia Financeira: estudo aplicado aos alunos do 3º ciclo do ensino básico e secundário” feito pela Universidade Portucalense (UPT), os jovens portugueses não possuem hábitos de poupança nem estão familiarizados com a linguagem financeira. A falta de formação financeira dos adolescentes e a urgência em criar uma educação nesse sentido são as preocupações mencionadas.

A autora do estudo, Eugénia Ribeiro, defende a instrução financeira obrigatória e diz que “os alunos têm que ser formados, desde a adolescência, para as questões económicas e financeiras, de forma a adquirirem uma relação saudável com o dinheiro, competências para poupar e planear as suas despesas”.

“Para se criar uma educação financeira eficaz é necessário aproximar os pais da escola, pois são eles que transmitem aos jovens os valores e hábitos de compra que começam em casa”, acrescenta.

Leia também: Edulabs: mil alunos vão receber tablets do Ministério da Educação

Por sua vez, o orientador do estudo afirma que, para os alunos ganharem autonomia em termos financeiros, as escolas devem implementar estratégias “imprescindíveis à sua formação” nas “várias áreas curriculares”.

Este estudo foi realizado no âmbito do Mestrado em Finanças na Universidade Portucalense e analisou uma amostra de 136 alunos, através de inquéritos por questionários relativos ao ano letivo 2012/2013.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Instrução financeira devia ser obrigatória nas escolas