CES 2018

Intel mostra “carro voador” Volocopter em Las Vegas

A carregar player...
Intel mostra “carro voador” Volocopter em Las Vegas

Fabricante indicou também que esta semana serão lançadas correções para resolver as falhas de segurança Meltdown e Spectre

A Intel prometeu mostrar o futuro no CES 2018 e foi isso mesmo que fez ao final de quase duas horas de apresentação: no palco do hotel Monte Carlo, em Las Vegas, pôs a voar o carro voador Volocopter. Mais Jetsons que isto era difícil.

Este aparelho é um misto de drone gigante com um helicóptero de rotores. Quase se pode dizer que é silencioso, e a verdade é que voou dentro do anfiteatro sem que a audiência sentisse qualquer perturbação. O Volocopter foi concebido pela empresa alemã E-Volo, na qual a Intel investiu através do seu braço Intel Capital.

“É simples de pilotar, silencioso e quando usa baterias não tem emissões”, explicou Florian Reuters, CEO da empresa. “O Volocopter existe hoje”, afirmou, adiantando que a empresa vai começar “em breve” um serviço de táxi aéreo em várias cidades em todo o mundo. “Isto tem o potencial de ser barato para todos nós”, garantiu. “Quem é que não gostaria de voar pela cidade e escapar ao trânsito?”

O papel da Intel, além de investidora, passa pelo fornecimento da capacidade de computação necessária para processar grandes volumes de dados a cada milissegundo, porque o Volocopter foi concebido para ser autónomo. Isto é, literalmente, voar os passageiros até ao destino sem que estes tenham de tocar nos controlos. “É poderoso, pequeno e leve”, resumiu Florian.

O CEO da Intel, Brian Krzanich, tinha passado a hora anterior a pintar a empresa como a chave para a revolução na computação do futuro. Apresentou o novo chip de computação quântica Tangle Lake, de 49 qubits (o anterior tinha 17 há apenas três meses) e o chip de inteligência artificial Loihi, que endereça um novo paradigma nesta área – é um chip de auto-aprendizagem, que evolui necessitando de menos dados. Krzanich chamou-lhe “o advento da computação neuromórfica.”

Momentos antes, o CEO da empresa demonstrava o mundo Sansar, a evolução VR do Second Life que foi trabalhada em colaboração com os Linden Labs, e anunciava uma parceria com a Paramount Pictures. Acredite-se ou não, a Intel está a trabalhar para mudar a forma como os vídeos são filmados e construiu um estúdio gigantesco em Los Angeles para captar conteúdos de forma inovadora. Usando a tecnologia True View, que usa câmaras 5K, a empresa consegue criar imagens com milhões de “voxels” – uma espécie de pixel situado num espaço 3D, adicionando volume à imagem. Foi assim que Krzanich explicou a inovação, mostrando depois o resultado: numa cena filmada apenas uma vez, é possível rodar todos os ângulos e quase se palpa a profundidade do vídeo. A ideia é usar esta tecnologia com a Paramount Pictures, ainda de forma experimental.

A keynote incluiu espectáculos de dança, uma banda a tocar música sem instrumentos usando sensores especiais e o voo concertado de 100 dos seus drones Shooting Star. Mas apesar da fanfarra, ou talvez por causa dela, Krzanich não fugiu ao tema que estava na cabeça de toda a gente: as falhas de segurança Meltdown e Spectre, que exploram problemas nos seus chips (e nos de outras fabricantes). O CEO informou que dentro de uma semana lançará correções para 90% dos chips produzidos nos últimos cinco anos, e os restantes virão em breve. Kzarnich disse ainda que, até agora, não há suspeitas de que as falhas tenham sido usadas para roubar informações dos utilizadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Intel mostra “carro voador” Volocopter em Las Vegas