CES 2017

Intel vai lançar óculos de realidade mista no outono

A Intel tinha revelado o Project Alloy no IDF, durante o verão do ano passado
A Intel tinha revelado o Project Alloy no IDF, durante o verão do ano passado

Fabricante de processadores dedicou conferência na CES 2017 à realidade virtual, enquanto a Samsung fez um “mea culpa” pelo desastre do Galaxy Note 7.

Numa das conferências mais concorridas e originais deste CES 2017, que abre hoje as portas da exposição, a Intel anunciou que os seus óculos de realidade mista serão lançados no quarto trimestre do ano. Ainda com o nome de código “Project Alloy”, os óculos permitem misturar a realidade virtual com o cenário físico em que o utilizador está. É uma convergência de realidade virtual e aumentada, que a Intel manterá como plataforma aberta para que fabricantes e programadores apostem no sistema.

“A realidade mista é quando vocês não precisam de estar ligados a nada, sem fios, e conseguem interagir com o mundo real e virtual de forma transparente”, declarou o CEO da Intel, Brian Krzanich, na conferência. No ano passado, o executivo tinha tido as honras da keynote de abertura, mas nesta edição esse lugar foi dado à Nvidia – que revelou uma parceria com a Audi para lançar um carro autónomo de nível 3 já em 2017.

O Alloy tem a vantagem de não precisar de se ligar a um computador ou consola: todo o poder de processamento já está lá dentro. “Acreditamos que o futuro da realidade virtual está aqui e as possibilidades são infinitas para o que o Project Alloy pode fazer”, defendeu Krzanich. O palco transformou-se momentaneamente numa sala de estar onde dois jogadores exemplificaram uma das aplicações do Alloy: os obstáculos físicos no mundo real tornaram-se em objetos dentro do mundo virtual. Por exemplo, o sofá passou a ser um bunker. “A sala agora entra na experiência de jogo”, explicou o executivo, notando que os jogadores conseguem ver-se um ao outro.

Na sessão, os jornalistas também receberam um computador e um exemplar do Oculus Rift para testarem novas experiências de realidade virtual que estão a ser desenhadas pela Intel. Uma delas foi a sensação de voar sobre o deserto no Utah, outra inspecionar painéis solares e outra assistir a um jogo de basquetebol em direto – Krzanich gosta de correr riscos nas conferências, e normalmente corre bem.

O desporto é um dos grandes focos da empresa, que recentemente assinou uma parceria com a La Liga para instalar tecnologia da Voke (startup que adquiriu) em três estádios. Os sistemas irão permitir aos espectadores com óculos de realidade virtual escolherem o ponto de vista no estádio e que estatísticas querem ver. “Vemos aqui o futuro: ver o jogo no lugar que quiser, escolher a experiência que deseja.” A tecnologia Voke VR vai estar disponível para Rift no final do ano, com “muitos conteúdos” já prometidos.

Mea culpa da Samsung

Umas horas antes da Intel, a Samsung enfrentou a imprensa numa que é sempre uma conferência muito cobiçada. O presidente da Samsung Electronics America, Tim Baxter, começou logo por abordar o problema, embora não tenha referido o Galaxy Note 7 especificamente. “Este foi um ano desafiante para a Samsung”, disse, pedindo desculpa aos utilizadores que foram pessoalmente afetados pelos smartphones com baterias defeituosas, que se incendiavam ou deitavam fumo. “Continuamos com os nossos intensos esforços para compreender o que se passou e garantir que não acontecerá novamente”, prometeu. Os resultados da investigação serão revelados em breve, adiantou. “Não parámos nem vamos parar de inovar. Estamos a refletir e estamos a ouvir-vos”, sublinhou Baxter.

Quanto a novos produtos, destaque para os portáteis Chromebook Plus e Chromebook Pro, cujo design faz lembrar um MacBook e que são uma resposta ao sucesso do iPad Pro da Apple. A vice presidente executiva Alana Cotton também revelou o Notebook Odyssey, uma aposta em computadores para videojogos que parece interessante, mas não tem o mesmo fator “uau” do Predator que a Acer lançou no dia anterior.

Não podia faltar uma televisão ultra avançada no alinhamento: desta vez é a QLED TV. “Tem a experiência de visualização perfeita, em termos de cor, contraste, qualidade”, descreveu Joe Stinziano, vice presidente da Samsung Electronics America. E como a CES é uma feira de eletrónica de consumo, foi com pompa que a marca apresentou a nova máquina de lavar e secar roupa, Flex Wash + Flex Dry, com quatro compartimentos diferentes para poder, por exemplo, lavar roupa branca e de cores ao mesmo tempo.

A Samsung apresentou ainda o frigorífico Family Hub 2.0, que adiciona controlos de voz às funcionalidades da primeira versão. De resto, semelhante ao que a LG Electronics já tinha apresentado de manhã, quando revelou uma parceria com a Amazon para pôr o assistente digital Alexa no seu novo frigorífico Smart InstaView.

A CES 2017 abre hoje à indústria e decorre até domingo, em Las Vegas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Fotografia: Alvaro Isidoro/Global Imagens

Venda do Novo Banco concluída amanhã

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Douro Azul põe à venda Cacilheiro de Joana Vasconcelos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Intel vai lançar óculos de realidade mista no outono