iPhone chega às lojas em dia de novas acusações à Apple

ng4751831

Um grupo de defesa dos direitos dos trabalhadores marcou<a href="http://www.dinheirovivo.pt/Buzz/interior.aspx?content_id=4766299" target="_blank"> o lançamento do novo iPhone</a> com um relatório em que acusa um dos fornecedores chineses da Apple de explorar os trabalhadores das fábricas.

A organização Students and Scholars Against Corporate Misbehaviour (Estudantes e Académicos contra a Má Conduta Empresarial, SACOM na sigla inglesa), sediada em Hong Kong, afirma que a Lens Technology, que fabrica os ecrãs táteis, recorreu a horas extraordinárias forçadas, à retenção de salários e arriscou a saúde dos trabalhadores, após uma investigação de vários meses a três das suas fábricas.

A fundadora da empresa, Zhou Qunfei, tornou-se a mulher mais rica da China depois de a Lens Technology ter entrado na bolsa de Shenzhen, em março.

No dia em que o iPhone 6s foi colocado à venda, incluindo em Hong Kong, no Japão e na China continental, a SACOM instou a Apple a “adotar medidas imediatas para acabar com a exploração na sua cadeia de fornecimento”.

Leia também: Volta ao Mundo. Quanto tempo tem que trabalhar para comprar um iPhone

“Instamos a Apple Inc. a cumprir a sua responsabilidade empresarial […] e a proporcionar aos funcionários um local de trabalho com dignidade e respeito”, indica a organização num comunicado.

O grupo garante que há funcionários da empresa que trabalham há um mês sem um único dia de folga, que os salários foram retidos durante semanas e que a empresa não paga segurança social.

“Pó, ruído, água poluída e substâncias químicas são problemas comuns na fábrica”, indica o relatório.

A SACOM enviou trabalhadores disfarçados para as fábricas, além de entrevistar funcionários no exterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

iPhone chega às lojas em dia de novas acusações à Apple