Tecnologia

iPhone ganha terreno em Portugal em tempos de pandemia

iPhone
DR

Os preços altos (o novo iPhone SE é a excepção) não evitaram que a Apple tivesse no iPhone um dos reis nas vendas durante a pandemia. Mercado caiu 20%

A Apple é a marca que “mais tem sido beneficiada pela pandemia” e pela queda da Huawei (aí tem ganho em conjunto com a Samsung). A marca chinesa foi prejudicada pelo bloqueio dos EUA da primavera passada que deixou os novos modelos Huawei sem serviços da Google (todos lançados já este ano) – isto numa altura em que parecia perto de tirar o título de líder mundial em unidades vendidas à Samsung (e já o tinha feito, em 2018 e pela primeira vez, em Portugal).

Estas conclusões podem ser tiradas a partir dos números do primeiro trimestre de 2020 das vendas de smartphones em Portugal da consultora IDC, mas é também a análise do experiente vice-presidente da IDC para aparelhos de consumo para a área da Europa, África e Médio Oriente, o português Francisco Jerónimo, que nos traça também o cenário para os meses de abril (de pleno confinamento) e maio.

Os novos iPhones 11, 11 Pro e 11 Pro Plus, bem como o mais recente SE (semelhante ao 8) lançado já em abril têm ajudado a marca californiana a ganhar quota de mercado a níveis que já se pensavam pouco prováveis, já que a Apple tem mantido os preços bem elevados, ao contrário da maioria dos rivais (a exceção é o SE, lançado apenas em abril).

Samsung e Apple (e a surpresa TCL) dividem ganhos

Comecemos pelos números. A Apple tem vindo a perder quota de mercado há alguns anos. O motivo? Os iPhone têm ficado mais caros e não mais baratos e só modelos em segunda mão estão abaixo da barreira dos 500 euros. Enquanto outras marcas que usam o sistema operativo Android dominam as gamas à volta dos tais 500 euros – mesmo que tenham topos de gama caros e em torno dos mil -, a Apple só tem tido versões premium com preços a condizer, o que ‘ajuda’ rivais como a Samsung, Huawei e, mais recentemente, Xiaomi, Oppo e TLC.

Em Portugal, a Apple tinha nos primeiros três meses de 2019 uma quota de mercado de 10,8% e em 2017 tinha 11,6%. Pelo meio, no primeiro trimestre de 2018, teve um ano especial e atípico face à tendência, com quota de 14,2% em Portugal graças ao surpreendente sucesso do seu telefone mais caro de sempre – o primeiro acima dos mil euros -, o iPhone X. Esse modelo foi lançado no final de 2017 em conjunto com o iPhone 8 e 8 Plus, celebrava os 10 anos de iPhone e traçou a nova moda dos ecrãs controlados por gestos e sem jack para auscultadores.

Este ano, já em 2020, a Apple subiu em Portugal para os 13,7%, mais 2,9% – e este registo ainda não inclui o mês de abril e o novo SE, o primeiro modelo da Apple abaixo dos 500 euros em Portugal (de 400 dólares nos EUA). “É um sinal muito relevante de que a Apple está a conquistar clientes quando todos pensavam que ia continuar a perdê-los, mesmo mantendo os preços altos”, diz-nos Francisco Jerónimo, que estima que a empresa californiana vai subir até aos 15% no segundo trimestre do ano.

Líder em Portugal (só ‘perdeu’, na verdade, em 2018), na Europa e no mundo, a Samsung, conseguiu 32,4% das vendas de smartphones no país, subindo 3% face a primeiro trimestre de 2019 e foi uma das três marcas (apenas duas delas com sistema Android) a conquistar clientes à Huawei, que caiu de 34,8% em 2019 para 25,8% este ano (-9%).

Mas há uma terceira grande vendedora com a queda da Huawei, a TCL (Alcatel), que tem apresentado ao longo dos últimos meses novos produtos convincentes na gama média, subiu dos 3,4% de quota de mercado para notáveis 10,5% e aproximou-se do terceiro lugar da Apple na lista da marcas que mais vende smartphones em Portugal. A TCL afasta-se assim da Xiaomi, que tem vindo a subir (mas não tanto) e regista 7,3% de quota – curiosamente o número tem caído nas outras marcas fora do top 5 (é apenas de 10,3%, quando há um ano era de 18%).

Mercado de smartphones em queda

Nesta luta dos números é importante notar que o setor dos smartphones tem estado em queda (embora o ano passado até teve uma pequena subida em Portugal) e, agora, foi particularmente atingido pela pandemia, perdendo 20% em unidades vendidas no primeiro trimestre do ano – o que irá piorar no segundo trimestre, de acordo com Francisco Jerónimo. A IDC estima mesmo que 2020 terá uma queda nas vendas mundiais acima dos 11%. Venderam-se 493.807 smartphones em Portugal nos primeiros três meses do ano, contra 631.723 no mesmo período de 2019, a tal queda de 21%. No ano anterior, 2018, tinham sido 587 mil as unidades vendidas.

Ainda assim, Francisco Jerónimo explica-nos que o início de 2019 foi um ano atípico em que as vendas subiram face a 2018 – o que acaba por ser em contra ciclo – não só porque muitos consumidores guardaram-se para os novos modelos de 2019, mas “porque Huawei, mas também a Samsung, tiveram campanhas muito agressivas com preços baixos que fizeram aumentar as vendas”.

Apple mais perto da Samsung na Europa

A nível europeu a tendência é semelhante. A Apple vende mais na Europa em geral do que em Portugal e subiu 3,7% nas vendas no mercado europeu do ano passado para o atual (no primeiro trimestre) – tem agora 26,7% e segue mesmo como segundo na lista de ‘vendedores’, bem à frente da Huawei que já só tem 17,6% de quota de mercado (tinha 28,4% há um ano).

A líder europeia Samsung subiu 2,4% num ano (ganhou menos do que a Apple no início deste ano) e tem agora 35,1% das vendas europeias, mais 8,4% de quota de mercado do que a Apple.

Porque é que a pandemia beneficiou a Apple?

O analista Francisco Jerónimo diz-nos que “a Apple foi quem saiu mais beneficiada na queda das vendas em geral” que houve durante a pandemia (os tais 20%) e isso, como já vimos, até poderá ser visto nos números de forma mais pronunciada no final do primeiro semestre do ano – o novo SE deverá ajudar.

Com as lojas fechadas devido ao confinamento, “as pessoas procuraram fazer compras seguras e de modelos que são mais conhecidos, já que tinham de comprar sem experimentar numa loja e sem a pressão ou influência do vendedor, por exemplo”.

Embora a Samsung também tenha saído beneficiada por ter modelos conhecidos, “a Apple foi bem mais e tem a vantagem de se manter fiel aos seus princípios e de mudar pouco, o que facilita as decisões de compra direta sem requerer experimentação”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

iPhone ganha terreno em Portugal em tempos de pandemia