“Jogada ilegal”: Livro sobre bastidores da FIFA chega hoje às livrarias

ng3122575

Em dezembro de 2010, a FIFA – organização que
gere o futebol mundial – anunciou os países que iriam receber os
campeonatos mundiais de futebol de 2018, ao qual Portugal
se candidatou em conjunto com a Espanha, e 2022.

A escolha dos dois vencedores,
Rússia e Qatar, não deixou de causar surpresa e a forma como terão sido escolhidos os dois países é o tema forte de “Jogada
ilegal” o novo livro do escritor e jornalista Luís Aguilar que vai
ser lançado hoje.
O autor lançou anteriormente a biografia de Paulo
Futre, “El Portugués parte I e parte II”, e do ex-futebolista
Fernando Mendes, “Jogo sujo”.

Leia também: Bestseller a caminho? “David e Golias” é o novo livro de Malcolm Gladwell

Outros aspetos do negócio multi-milionário da FIFA também são abordados, como a venda de bilhetes para o campeonato do
mundo no mercado negro, assim como a ascensão de várias figuras passadas e
presentes do futebol mundial como João Havelange, antigo presidente
do organismo, e de Sepp Blatter, o seu sucessor e atual líder. “Os
poderosos caem. Aos poucos. Mas Blatter continua. Escândalo após
escândalo. Caso de corrupção após caso de corrupção. Resiste a
todas as alegações, passa sempre pelos intervalos da chuva e não
perde uma batalha”, escreve Luís Aguilar.

Antigo ministro de Salazar

A ascensão de João Havelange à cúpula do futebol
mundial também é retratada no livro de Aguilar que terá contado, inclusivamente,
com a ajuda de um ex-ministro de Salazar, Luís Maria Teixeira Pinto, patrocinador da candidatura de Havelange à liderança da FIFA. “(…)
logo após a sua saída, o futuro presidente da FIFA e os amigos de
Portugal iniciaram um negócio de tráfico de armas com o ditador
boliviano Hugo Banzer e com outros elementos da sua junta militar”,
escreve Aguilar no capitulo 11, “Armas em troca de votos”.

Outra polémica referida no livro refere-se ao protesto de José Mourinho, no início de 2013, referente à alteração de regras da FIFA para a eleição do melhor treinador do mundo relativamente a 2012. “Mourinho está habituado a ser o centro das polémicas. (…) Acusar a FIFA de forma tão clara? Só podia estar muito seguro das suas afirmações, caso contrário arriscava um pesado castigo. (…) O que disse a FIFA? Desmentiu tudo, claro”, escreve Luís Aguilar no capítulo “Mourinho contra a FIFA”.

“Jogada ilegal” é uma edição Esfera dos Livros e vai ser lançado esta terça-feira às 18h30 na Fnac do Centro Comercial Colombo. A apresentação está a cargo de Paulo Futre e do jornalista José Manuel Freitas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Sede Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa

As respostas da CGD sobre o plano de recapitalização

Foto: Jorge Amaral / Global Imagens

BES. BdP avisou mas acionistas foram “passivos”

Foto: DR

CGD com melhor taxa do que Banco Popular de Espanha, diz Governo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
“Jogada ilegal”: Livro sobre bastidores da FIFA chega hoje às livrarias